Recursos Humanos

O movimento #MeToo abalou a sociedade, mas que alterações trouxe às empresas?

Os movimentos #MeToo e #TimesUp criaram uma onda de indignação com uma série de relatos de mulheres vítimas de assédio sexual no trabalho. As repercussões nos media foram extensas, com um aumento da atenção em relação ao tema do assédio sexual e das condutas impróprias em geral.

A questão que agora se coloca é se estes movimentos conduziram a uma mudança efetiva nos locais de trabalho. Um inquérito online realizado a 1100 pessoas permitiu concluir que ocorreu uma maior sensibilização para este tema, mas que a maioria das empresas não introduziu mudanças na sequência deste processo. Os autores do estudo, Candace Bertotti e David Maxfield retiraram as seguintes conclusões deste inquérito:

Principais resultados do inquérito online.

  • Quase dois terços dos entrevistados referiram que consideravam os movimentos como uma contribuição positiva.
  • 45% consideram que é mais seguro denunciar situações de assédio no local de trabalho.
  • 41% das mulheres inquiridas conhecem alguém que denunciou uma situação de assédio após o início destes movimentos.
  • 28% terão denunciado uma situação vivida por si.
  • 48% das mulheres referiram ter uma história pessoal que não partilharam.

Os resultados são, em certa medida, confirmados pelas respostas dos inquiridos masculinos. Quase metade refere o seu envolvimento em situações que poderiam ser descritas como assédio sexual ou conduta indevida.

Em que consistiram as mudanças nas empresas.

Em relação aos locais de trabalho se terem tornado espaços mais seguros, 56% indicam a existência de pequenas melhorias, mas apenas uma pessoa em cada três caracteriza este progresso como algo significativo.

Apenas 20% referem que as empresas ofereceram um reforço na oferta de formação sobre este tema. A mesma percentagem afirma sentir uma confiança renovada, ou seja, que numa situação de assédio a empresa irá agir de forma correta.

15% indicam que as empresas implementaram novas políticas, procedimentos e sistemas que tornaram mais fácil a denúncia deste tipo de situações.

Reações negativas.

O inquérito também detetou reações adversas. Um terço das mulheres e metade dos homens referiram que, desde o início dos movimentos, conheceram pelo menos um caso de alguém que terá sido injustamente acusado. E 65% dos homens sentem que se tornou perigoso assumir o papel de mentor em programas de coaching com colegas do sexo feminino. Este tipo de reações coloca em risco um ambiente de colaboração saudável.

Uma oportunidade para os líderes e para os Recursos Humanos.

Os líderes devem empenhar-se numa mudança da cultura de empresa, criando ambientes de trabalho nos quais os colaboradores se sintam seguros para denunciar condutas impróprias.

Um inquérito interno.

Um dos primeiros passos é a realização de um inquérito interno, no qual é pedido aos colaboradores, com absoluta confidencialidade, que caracterizem o ambiente na empresa.

O inquérito deverá também incluir uma análise da capacidade de cada líder para tratar deste tema. É fundamental que os resultados sejam incorporados pelos Recursos Humanos nos objetivos, nas avaliações internas e, por último, nas promoções. Ou seja, este é um fator que deve ser reconhecido como importante na progressão de carreira de um líder.

Um software de Recursos Humanos da Sage pode ser extremamente útil no acompanhamento da performance das equipas e na avaliação do desempenho dos colaboradores.

Uma declaração escrita.

Pode parecer apenas simbólico, mas assinar uma declaração é uma forma de responsabilização de todas as partes. Encorajem os colaboradores a assinar uma declaração que afirme o seu empenho individual na eliminação de situações de assédio. Assinar esta declaração deve ser um gesto público e renovado de forma periódica.

Defendam a mudança.

Ao nível da liderança, defendam de forma intransigente a mudança do status quo. Tanto os Recursos Humanos como a liderança devem trabalhar de forma coesa. Eliminar este tipo de condutas nas empresas exige uma abordagem multidisciplinar, oferecendo formação específica sobre o tema e aproveitando o momento presente para criar uma transformação real e necessária.