Recursos Humanos

Porque é que as mulheres se oferecem mais para tarefas invisíveis?

São muitas as razões por detrás da menor percentagem de mulheres a exercer cargos de chefia. Em termos de evolução de mentalidades, ainda existe um longo caminho até à igualdade, pela participação das mulheres em todos os espectros da vida empresarial.

Um estudo publicado na American Economic Review abordou um outro aspeto: diferenças entre géneros quando se trata de aceitar tarefas com pouco ou nenhum efeito na progressão de carreira.

As autoras Linda Babcock, Maria P. Recalde, Lise Vesterlund e Laurie Weingart verificaram que existia uma percentagem superior de mulheres que se ofereciam para estas tarefas, e que também era mais frequente que fossem pedidas aos membros do sexo feminino.

As consequências desta diferença

 As consequências são bastante graves: assoberbadas de tarefas com pouca ou nenhuma visibilidade, as suas carreiras progridem mais devagar. Vamos ver neste artigo porque acontece esta situação na maioria das empresas, e como as chefias devem distribuir o trabalho de forma mais equitativa entre os membros da equipa.

Tarefas invisíveis

Existem tarefas que beneficiam as organizações, mas que não são tidas em conta na avaliação da performance dos colaboradores, e que por isso não contribuem para a progressão na carreira.

Estudos anteriores, relativos ao ambiente académico, já tinham fornecido a pista de que existia uma diferença na forma como estas tarefas eram distribuídas pelos colaboradores de acordo com o seu género.

São indicadores que ajudam a explicar porque, apesar dos avanços ao nível da educação e da participação geral no mercado de trabalho, as mulheres continuam a progredir mais lentamente.

O estudo publicado na American Economic Review reuniu 696 estudantes, tentando, através de algumas experiências, esclarecer este tema. Não deixem de ler a segunda parte deste artigo, na qual iremos analisar as experiências realizadas e as conclusões do estudo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Artigos Relacionados

0 Comentários

Deixe um comentário