All Posts By

SAGE

Contabilidade

IRC – Informações Vinculativas de 2018: Síntese Quantitativa

A Lei Geral Tributária (LGT) tem como finalidade os princípios fundamentais do sistema fiscal, as garantias dos contribuintes e os poderes da administração tributária.

Uma das garantias dos contribuintes consagradas na LGT é o direito à informação. Um destes direitos materializa-se na possibilidade de conhecer a sua correta situação tributária.

O art.º 68º da LGT, determina que os sujeitos passivos podem solicitar à Autoridade Tributária (AT) informações vinculativas sobre a sua situação tributária.

Este apontamento tem como objetivo divulgar as informações vinculativas prestadas pela Autoridade Tributária sobre o IRC em 2018.

Como determina a citada norma, a Autoridade Tributária tem de publicar no Portal das Finanças as informações prestadas no prazo de 30 dias.

Consultado o Portal das Finanças em “Informação Fiscal” > ”Informações Vinculativas” > ”Rendimento” > ”IRC”, verifica-se que foram emitidas 33 informações vinculativas em 2018.

Deste universo de informações vinculativas, 24 foram sobre o Código do IRC (CIRC), 4 foram sobre o Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF), 4 sobre o Decreto-Lei n.º 162/2014, de 31/10 – Código Fiscal do Investimento (CFI) e 1 sobre o Decreto Regulamentar n.º 25/2009, de 14/09.

Analisando as informações vinculativas sobre IRC verificamos que a sua distribuição pelos capítulos do CIRC é a seguinte:

Capítulo do CIRC N.º de Informações Vinculativas divulgadas em 2018
Incidência 4
Isenções 4
Determinação da Matéria Coletável 15
Taxas 0
Liquidação 1
Pagamento 0
Obrigações acessórias e de fiscalização 0
Garantias dos contribuintes 0
Disposições Finais 0
TOTAL 24

Com este apontamento quantitativo daremos, em próximos artigos, início a uma análise qualitativa das informações vinculativas de IRC divulgadas pela AT em 2018.

Lisboa, janeiro de 2019

Bruno Lagos

Bruno Lagos, Licenciado em Organização e Gestão de Empresas; Mestre em Auditoria Contabilística; Nos últimos 25 anos, técnico superior na Administração Fiscal Portuguesa.

 

 

 

 

 

 

 

Sage One

Vamos rever o crescimento da economia de capital nacional

Em dezembro de 2018, no 2º Congresso dos Gestores Portugueses, organizado pela FAE, a D&B apresentou o seu estudo sobre “Empresas de Capital Nacional”, comunicado pelo Jornal Económico. Vamos explorar como se desenha a economia de capital nacional.

Em Portugal, um grupo de 20 mil grandes empresas e PME de capital nacional são responsáveis por grande parte dos resultados no nosso mercado. Movimentam 141 mil milhões de euros, ou seja, 45% do volume de negócios, 30 mil milhões de euros em exportações, ou seja, 46% do seu total, e 39% do emprego do tecido empresarial, ou seja, 965 mil empregados. Destas 20 mil, a maioria são pequena empresas (81%) e destacam-se no volume de negócios, exportações e emprego. As PME ainda exibem um crescimento maior no volume de negócios e maior contributo para as exportações, relativamente ao das grandes empresas com capital nacional.

Entre 2014 e 2017, dois terços do crescimento de volume de negócios pode ser atribuído a empresas de capital nacional. Esta performance superior surge também com taxas de crescimento maiores no emprego e nas exportações, em todas as escalas e setores.

Existe uma linha condutora que conta a história da maior parte destas 20 mil empresas. São empreendimentos com 20 ou mais anos (51%), apresentam Risco de Failure mínimo (42%) e têm gestão familiar (52%). A maioria das empresas (70%) e do volume de negócios (80%) foca-se em quatro setores: Indústrias Transformadoras, Grossistas, Retalho e Serviços.

O estudo sobre “Empresas de Capital Nacional” investigou um universo de empresas privadas, com indícios de atividade comercial em 2017, e não incluiu a Banca e os Seguros. Foram examinadas 310 mil empresas, com 312 mil milhões de euros de volume de negócios, 64 mil milhões de euros de volume de exportação e 2,5 milhões de empregados.

Lancem o vosso negócio neste mercado recetivo com a ajuda de Sage One. Esta solução oferece uma faturação online certificada e simplificada, de acordo com as necessidades do seu novo empreendimento.

 

Sage Enterprise Management

Lições para líderes

A semana ainda vai a meio e já passarem pelas vossas mãos tantas decisões. Como decidir o rumo do resto da semana? Vamos explorar alguns conselhos para líderes.

Dizer que não

No mundo atual, está-se sempre a iniciar algum movimento tecnológico, estratégico ou, simplesmente, buzz. As oportunidades abundam e parece que vivemos num constante medo de aderir ou perder o comboio da inovação. No entanto, enquanto líderes do vosso negócio, devem considerar cada opção com tempo. Analisem tudo com o vosso plano de estratégia em mente e não hesitem em testar a proposta para compreenderem os resultados. Respeitem os momentos de criação mas também os momentos de concentração, em que se dedicam a concretizar o vosso plano.

Valorizar o vosso tempo

Enquanto líderes, a vossa agenda tende a estar preenchida. Mesmo que equipas diferentes compitam pela vossa atenção, cumpram o tempo de descanso que surge na vossa agenda – pois também deve ser contabilizado. Reconheçam aquilo que devem desenvolver no vosso próprio espaço e tempo pessoal, para que possam sempre liderar com todo o vosso espírito.

Permitir que as pessoas à vossa volta cresçam

Esforcem-se por criar uma estrutura de negócio e comunicação que convide a uma circulação de feedback honesta e oportuna. O vosso papel enquanto líderes é gerar entusiasmo, inspirar e oferecer as melhores oportunidades para que os vossos colaboradores possam crescer dentro da empresa. Por isso, devem manter uma comunicação constante e criar um ambiente em que todos possam aprender novas competências e aumentar o seu valor pessoal.

Delegar o trabalho de hoje para se focarem no trabalho de amanhã

O sucesso do vosso negócio deve-se ao vosso esforço, assim como ao esforço dos vossos colaboradores. A partilha de “carga” e de trabalho é a forma mais eficaz de chegarem aos vossos objetivos. Ao delegarem o trabalho planeado para o dia de hoje, podem investir na planificação de um futuro sustentável e de uma estratégia eficaz para a vossa empresa.

Optem por uma solução de gestão una que se adapte ao crescimento do vosso negócio. As soluções de Enterprise Management da Sage permitirão passar o futuro do vosso negócio para Cloud e ganhar controlo de todos  os processos empresariais.

 

Inovação e Tecnologia

Farfetch: Como levar o amor pela moda até à Bolsa de Valores de Nova Iorque

“A Farfetch existe graças ao amor pela moda. Acreditamos na promoção da individualidade. A nossa missão é ser a plataforma tecnológica global na moda de luxo, ligando criadores, curadores e consumidores”, lia-se no documento de apresentação ao regulador do mercado norte-americano. A Farfetch estreou-se em bolsa, em setembro de 2018, com ações a quase 50% do preço da oferta pública inicial. Obteve 885 milhões de dólares com a entrada no mercado de capitais norte-americano, escolhida por acolher muitos investidores em empresas tecnológicas. No entanto, a startup, com base em Londres, começou longe de Nova Iorque.

A startup foi fundada pelo português José Neves em 2007 e revelou o seu ponto forte ao aliar moda de luxo e tecnologia. A Farfetch permite, nas suas plataformas digitais, a venda de mais de 700 marcas de topo, como Chanel e Gucci, e assiste uma gestão de backoffice eficiente.

Uma outra característica principal que levou ao seu sucesso foi permitir a boutiques independentes ter uma presença online, preservando as suas lojas físicas. Assim, a Farfetch criou a sua identidade como mercado agregador de lojas únicas e com oportunidades globais, para vendedores e clientes.

Em 2017, a dimensão de vendas privadas deu mais força ao negócio. Em cidades como Los Angeles, Nova Iorque, Hong Kong, Londres, Moscovo e Tóquio, colaboradores dedicam-se apenas a vendas VIP, com personal shoppers ou stylists. No final de 2017, revelaram que a utilização das suas plataformas tinha subido 40% relativamente ao ano anterior, com 935 mil de utilizadores.

Em 2018, a Farfetch continuou a inovar. Compraram, em dezembro, a Stadium Goods, por reconhecerem o valor do setor de streetwear de luxo, que já valia 70 mil milhões de dólares em 2017. José Neves admitiu, em entrevista ao South China Morning Post, que considera que a consolidação do mercado online e offline é o maior ponto de investimento para a empresa, além de outros fatores como sustentabilidade e Inteligência Artificial. Apontando um crescimento previsto de 500% na próxima década para o comércio online, explica que será nesse sentido que a Farfetch continuará a apostar.

 

Gestão de Pessoas

Como os Recursos Humanos podem aumentar a produtividade do vosso negócio

Segundo do estudo da Sage, “Why your workforce is not working”, realizado em 2017, a maior parte dos ambientes de trabalho têm um problema de produtividade. A boa notícia é que uma experiência de trabalho positiva impacta e otimiza a produtividade, de acordo com 78% dos inquiridos, percentagem que sobe para 92%, nas gerações mais jovens.

O estudo inquiriu 3 500 trabalhadores nos EUA, Canadá e RU, de empresas de todas as dimensões, e mais de 33% admitiu que eram produtivos menos do que 30 horas por semana. 66% dos colaboradores também concederam estar apenas parcialmente ou nada envolvidos no trabalho que desenvolvem. O problema da motivação e também da produtividade pede a vossa atenção.

Infelizmente, 50% dos colaboradores admitem que nunca foram consultados sobre melhorias que beneficiariam o seu ambiente de trabalho. Enquanto os empresários imaginam que zonas de jogos no escritório são importantes para os colaboradores, os mesmos indicam a flexibilidade e demonstração de apreço como essenciais para um bom ambiente de trabalho (66%). Para isso, as empresas devem tornar-se em empresas de Pessoas, que reconheçam o valor dos seus colaboradores e ambicionem oferecer a melhor experiência de trabalho possível.

Recursos Humanos (RH) estão na posição ideal para implementarem as melhores mudanças. Atualizem a vossa solução de gestão de capital humana, para uma das opções Sage. Calendarizem formações, com monitorização de frequência, giram os vossos colaboradores independentes de forma tão organizada como os dependentes, e honrem as necessidades de cada um com um histórico de colaboradores.

Grande parte dos inquiridos gostariam de os departamentos de RH melhorassem a comunicação entre os colaboradores e as equipas de liderança. A ponte entre os dois apenas pode ser feita se os RH reconhecerem por inteiro as necessidades de cada lado. Ouçam o feedback e os dados valiosos que os vossos colaboradores vos oferecem para fazerem decisões informadas. Assim, podem manter os sistemas de RH flexíveis para se adaptarem a novas formas de trabalho. Está nas vossas mãos melhorar o ambiente de trabalho do vosso negócio!