A navegar na categoria

Contabilidade

Contabilidade

IRS – Modelo 3 – DECLARAÇÃO DE IRS DE 2018 A ENTREGAR EM 2019 – ANEXO J – CONTAS DE DEPÓSITO OU DE TÍTULOS EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NÃO RESIDENTES

  1. Esta obrigação está prevista no n.º 8 do art.º 63º-A da Lei Geral Tributária e é cumprida no quadro 11 do Anexo J da declaração de rendimentos Modelo 3 do IRS e consiste na mera identificação das contas, não tendo qualquer impacto na liquidação do imposto.

  2. Quanto ao tipo de contas a declarar, a lei refere expressamente “contas de depósitos ou de títulos”, pelo que contas de outra natureza, nomeadamente as contas de pagamento não estão abrangidas por esta obrigação.
  3. A título de exemplo e considerando as dúvidas que têm sido suscitadas sobre as contas na “Revolut, não tendo, em 2018, esta instituição operado como instituição de crédito/banco, as respetivas contas são contas de pagamento e, como tal, os contribuintes detentores das mesmas não estarão obrigados a declará-las no Anexo J da Declaração Modelo 3 do IRS.
  4. Nas situações em que os contribuintes, estando obrigados a declarar as contas em instituição financeira não residente ou em sucursal localizada fora do território português de instituição financeira residente, por as mesmas revestirem a natureza de contas de depósito ou de títulos, e já tenham entregue a declaração modelo 3 sem as identificar, devem proceder à entrega de declaração de substituição até ao final do prazo legal (30.06.2019), a qual não estará sujeita a coimas, identificando essas contas no quadro 11 do Anexo J daquela declaração.

 

As referidas contas devem ser identificadas através dos seguintes elementos:

  • IBAN – International Bank Account Number (número internacional de conta bancária – máximo 34 carateres);
  • BIC – Bank Identifier Code (código de identificação do banco – máximo 11 carateres).

 

Não podendo as contas ser identificadas pelo IBAN ou BIC, deverá identificar o respetivo número.

FONTE: Oficio Circulado N.º 20211/2019, 18/04

Lisboa, 30 de abril de 2019

Bruno Lagos


Bruno Lagos, Licenciado em Organização e Gestão de Empresas; Mestre em Auditoria Contabilística; Nos últimos 25 anos, técnico superior na Administração Fiscal Portuguesa.

 

 

 

 

 

 

Contabilidade

Três passos para modernizar o vosso Gabinete de Contabilidade

Contabilista: uma profissão competitiva que está sempre em atualização! Sabemos que o vosso Gabinete de Contabilidade tem que se esforçar para se manter na dianteira. Como devem competir com a concorrência?  Como devem lidar com as exigências crescentes dos vossos clientes? Para se manterem atualizados, têm que fazer uma análise prática aos vossos processos para saber como melhorar.

Um bom negócio está todo ligado, integralmente. A informação deve estar acessível de uma forma segura, em qualquer lugar e em qualquer altura. Vamos descobrir como.

  1. Diferentes tecnologias para diferentes funções

Tanta variedade de tecnologias inovadores pode trazer confusão. Saber em que tecnologias apostar é uma arte – que vos pode trazer muitos benefícios. Por isso, devem dedicar-se à exploração de novos processos e programas. Eventos de Contabilidade são a forma mais prática para interagir e compreender novas tecnologias e para comunicar com outros profissionais que enfrentam os mesmos desafios.

  1. Invistam nos vossos objetivos de negócio

As soluções que escolherem devem adaptar-se ao vosso negócio. Não o contrário! Os vossos objetivos de negócio e as vossas carências tecnológicas devem estar no centro da escolha de qualquer nova tecnologia. Comecem com os objetivos particulares do vosso Gabinete de Contabilidade – assegurar conformidade ou acessibilidade online e segura para todos os vossos colaboradores – para construírem uma estrutura que leve à transformação digital do vosso negócio.

  1. Mantenham-se ao corrente

Hoje em dia, a tecnologia desenvolve-se muito rapidamente! Nesse sentido, não se concentrem nas ideias do presente mas apostem em soluções que antecipem novidades do futuro. Avaliem novas tecnologias de acordo com as formas que mais bem servirão os vossos clientes – antecipar as futuras necessidades dos clientes é forma certa de garantirem a competitividade. Incutam esta mentalidade em todos os vossos colaboradores, para que todos trabalhem na mesma direção: o futuro!

O vosso negócio depende da vossa capacidade de adaptação e de gestão de mudança. Garantam a vossa capacidade operacional de responder aos desafios do futuro com Sage for Accountants, a solução de Contabilidade com opções de acordo com a dimensão do seu negócio.

 

Contabilidade

IRS – Modelo 3 – DECLARAÇÃO DE IRS DE 2018 A ENTREGAR EM 2019 – ANEXO J

A declaração de IRS, relativa a rendimentos de 2018, a entregar em 2019, foi objeto de várias alterações.

Na sequência do anterior apontamento hoje abordaremos as alterações ocorridas no ANEXO J.

Devemos referir, em primeiro lugar, que o prazo de entrega da declaração (Modelo 3), este ano, decorre nos meses de Abril, Maio e Junho.

 

XI – ANEXO J – RENDIMENTOS OBTIDOS NO ESTRANGEIRO

 XI.1 – Quadro 4A – Rendimentos do trabalho dependente (categoria A)

Procedeu-se à criação de um novo código (código A03) relativo a remunerações dos membros de órgãos de gestão/administração de sociedades, que se destina a declarar de forma autónoma as remunerações a título de percentagens, senhas de presença e outras remunerações similares.

  • “Código A03 – Remunerações dos membros de órgãos de gestão/administração de sociedades / remunerações a título de percentagens, senhas de presença e outras remunerações similares”.

XI.2 – Quadro 6A – Rendimentos empresariais e profissionais (categoria B)

O código B08 – Rendimentos de artistas e desportistas foi desdobrado em dois códigos (códigos B10 e B11), a partir de 2018, de forma a autonomizar os referidos rendimentos consoante a respetiva natureza:

  • Código B10 – Rendimentos de artistas – ano de 2018 e seguintes / rendimentos provenientes da atividade pessoal de profissional de espetáculo”;
  • “Código B11 – Rendimentos de desportistas – ano de 2018 e seguintes / rendimentos provenientes da atividade pessoal de desportista”.

XI.3 – Quadro 9.2 – Incrementos patrimoniais de opção de englobamento

Foi criada uma coluna – “País da contraparte” – para permitir a indicação do país da residência da contraparte (do adquirente), quando esta estiver sujeita a um regime fiscal mais favorável, nos termos do n.º 1 ou do n.º 5, ambos do artigo 63.º-D da Lei Geral Tributária, conforme previsto no n.º 5 do artigo 43.º do Código do IRS.

Fonte: Ofício Circulado N.º: 20207 2019-03-13

Lisboa, 15 de abril de 2019

Bruno Lagos


Bruno Lagos, Licenciado em Organização e Gestão de Empresas; Mestre em Auditoria Contabilística; Nos últimos 25 anos, técnico superior na Administração Fiscal Portuguesa.

 

 

 

 

 

 

Contabilidade

IRS – Modelo 3 – DECLARAÇÃO DE IRS DE 2018 A ENTREGAR EM 2019 – ANEXOS F, G, G1 e H

DECLARAÇÃO DE IRS DE 2018 A ENTREGAR EM 2019 – ANEXOS F, G, G1 e H

A declaração de IRS, relativa a rendimentos de 2018, a entregar em 2019, foi objeto de várias alterações.

Na sequência do anterior apontamento hoje abordaremos as alterações ocorridas no ANEXO F, G, G1 e H.

Devemos referir, em primeiro lugar, que o prazo de entrega da declaração (Modelo 3), este ano, decorre nos meses de Abril, Maio e Junho.

 

VII – ANEXO F – RENDIMENTOS PREDIAIS

VII.1 – Quadro 7B – Identificação dos imóveis qualificados como lojas com história

OE/2018, que prevê, no seu n.º 2, uma majoração dos gastos, previstos no n.º 7 do artigo 41.º do Código do IRS, respeitantes a imóveis arrendados que tenham sido reconhecidos pelo município como estabelecimentos de interesse histórico e cultural e que integrem o inventário nacional dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social, nos termos previstos na Lei n.º 42/2017, de 14 de junho, procedeu-se à criação de um novo quadro para identificação destes imóveis, relativamente aos quais tenham sido mencionados gastos com obras de conservação e manutenção no Quadro 5B.

VII.2 – Quadro 7C – Identificação dos imóveis rústicos arrendados a entidades de gestão florestal (EGF) e a unidades de gestão florestal (UGF)

Foi criado um novo quadro para a identificação dos imóveis rústicos destinados à exploração florestal e arrendados às Entidades de Gestão Florestal (EGF) e/ou Unidades de Gestão Florestal (UGF) para que a liquidação do imposto possa ter em conta as disposições dos n.ºs 11 e 14 do artigo O 59.º-G do EBF: redução em 50% da taxa aplicável aos rendimentos da categoria F decorrentes do arrendamento de prédios rústicos a estas entidades, sem prejuízo da opção pelo englobamento.

VII.3 – Quadro 7D – Opção pelo englobamento

Em virtude das supramencionadas alterações introduzidas no Quadro 7B e do aditamento do novo Quadro 7C, a opção pelo englobamento passa a constar agora no Quadro 7D (em vez do anterior Quadro 7B).

 

VIII – ANEXO G – MAIS-VALIAS E OUTROS INCREMENTOS PATRIMONIAIS

VIII.1 – Quadro 4B – Afetação de bens móveis e de bens imóveis a atividade empresarial e profissional (art.º 10.º, n.º 1, al. a) do CIRS)

Neste quadro foi criada uma nova coluna para a indicação das “Despesas e encargos” previstos no artigo 51.º do Código do IRS e a natureza dos bens em causa passa a ser identificada através de código, “M – Móveis” e “I – Imóveis”.

VIII.2 – Quadro 4C – Alienação onerosa de imóveis rústicos a EGF – Entidades de Gestão Florestal e UGF – Unidades de Gestão Florestal

Considerando o aditamento do artigo 59.º-G ao EBF, nos termos do qual (n.º s 12 e 14) as mais-valias auferidas por sujeitos passivos de IRS com a alienação a EGF ou UGF de prédios rústicos destinados à exploração florestal são tributadas à taxa autónoma de 14%, sem prejuízo da opção pelo englobamento, foi necessário proceder à criação do “Quadro4C – Alienação onerosa de imóveis rústicos a EGF – Entidades de gestão florestal e a UGF – Unidades de gestão florestal”, para identificação dos prédios rústicos destinados à exploração florestal que tenham sido alienados a EGF ou a UGF. Uma vez que é permitida a opção pelo englobamento das mais-valias relativas à alienação onerosa de prédios rústicos destinados à exploração florestal a EGF ou a UGF, procedeu-se ainda ao ajustamento do Quadro 15 relativo à opção pelo englobamento.

VIII.3 – Quadro 9D – Incentivos à recapitalização das empresas

O artigo 43.º-B do EBF, prevê que os sujeitos passivos de IRS que alienem participações sociais em sociedades que se encontrem na condição prevista no artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais e a favor das quais realizaram entradas de capital em dinheiro, podem deduzir até 20% destas entradas ao saldo apurado entre as mais-valias e as menos-valias realizadas nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 10.º do Código do IRS. Em consequência, procedeu-se à criação do Quadro 9D para identificar essas participações sociais e respetivas mais-valias ou menos-valias. Para efeitos de apuramento do benefício fiscal foi criado no anexo H o novo Quadro 9A – “Deduções ao rendimento – Incentivos à recapitalização das empresas (art.º 43.º-B do EBF)”.

VIII.4 – Quadro 9E – Alienação onerosa de participações sociais em EGF – Entidades de Gestão Florestal e UGF – Unidades de Gestão Florestal

O artigo 59.º-G ao EBF, veio determinar, no n.º 6, que o saldo positivo entre as mais-valias e as menos valias resultantes da alienação de participações sociais em EGF ou em UGF é tributado à taxa de 10%, quando os titulares sejam entidades não residentes a que não seja aplicável a isenção prevista no artigo 27.º daquele diploma legal ou sujeitos passivos de IRS residentes em território português que obtenham os rendimentos fora do âmbito de uma atividade comercial, industrial ou agrícola e não optem pelo respetivo englobamento.

Em consequência, foi criado o Quadro 9E, para identificação dessas participações sociais e respetivas mais-valias ou menos-valias.

 

IX – ANEXO G1 – MAIS-VALIAS NÃO TRIBUTADAS

IX.1 – Quadros 4 – Alienação onerosa de partes sociais e outros valores mobiliários e direitos excluídos ou isentos de tributação

O artigo 268.º do Código da Insolvência e de Recuperação de Empresas (CIRE), alargou a isenção em IRS e em IRC aos rendimentos e ganhos decorrentes, nomeadamente, da venda de bens e direitos em processo de insolvência que prossiga para liquidação, para o efeito foi alterada a estrutura do anexo G1, no sentido de no Quadro 4 se declarar a alienação onerosa de partes sociais e outros valores mobiliários e direitos excluídos de tributação, passando a ser declarado neste quadro, para além dos direitos adquiridos antes de 1 de janeiro de 1989, os rendimentos e ganhos isentos de tributação nos termos do artigo 268.º do CIRE.

Para o efeito, foi alterado o título do Quadro 4 e foram criados códigos para a identificação dos diferentes rendimentos:

código 1 – “Rendimentos e ganhos excluídos de tributação”, e

código 2 – “Rendimentos e ganhos isentos de tributação”.

IX.2 – Quadros 5 – Alienação de imóveis excluídos ou isentos de tributação

Na sequência do referido para o quadro anterior, foi ajustado o título do Quadro 5 e foram criados códigos para a identificação dos diferentes rendimentos:

código 1 – “Alienação de imóveis excluídos de tributação”;

código 2 – “Alienação de imóveis isentos de tributação – imóveis transmitidos a favor de FIIAH”; e

código 3 – “Alienação de imóveis isentos de tributação – imóveis alienados em processo de liquidação”.

 

X – ANEXO H – BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES

X.1 – Quadro 4 – Rendimentos isentos sujeitos a englobamento

O Decreto-Lei n.º 92/2018, de 13 de novembro, instituiu um regime especial de determinação da matéria coletável com base na tonelagem dos navios e embarcações e um regime fiscal aplicável aos tripulantes, consagrando, no seu artigo 4.º, uma isenção de IRS para as remunerações auferidas na qualidade de tripulantes dos navios ou embarcações considerados para efeitos desse regime especial de determinação da matéria coletável. Em consequência, foi criado um novo código no Quadro 4 para a declaração destas remunerações:

“Código 412 – Remunerações auferidas na qualidade de tripulantes dos navios ou embarcações considerados para efeitos do Regime Especial de Determinação da Matéria Coletável”.

X.2 – Quadro 6B – Benefícios fiscais e despesas relativas a pessoas com deficiência

Foi aditado um novo código (código 627), para identificação dos montantes dos investimentos efetuados de acordo com as condições previstas nos n.ºs 5 a 7 do artigo 32.º-A do EBF:

“Código 627 – Investidores de Capital de Risco (artigo 32.º-A do EBF)”.

Por outro lado, tendo em consideração a alteração efetuada ao n.º 7 do artigo 62.º do EBF, nos termos do qual foram elevadas as majorações de donativos, em função da sua natureza e entidade beneficiária, foram criados quatro novos códigos (códigos 628 a 631), de forma a permitir a respetiva identificação e qualificação.

“Código 628 – Mecenato ambiental/educacional – (Anos de 2018 e seguintes)”;

“Código 629 – Mecenato desportivo – (Anos de 2018 e seguintes)”;

“Código 630 – Mecenato ambiental/educacional (contratos plurianuais) – (Anos de 2018 e seguintes)”;

“Código 631 – Mecenato desportivo (contratos plurianuais) – (Anos de 2018 e seguintes)”.

Assim, os códigos 611 e 612 passam a respeitar apenas aos anos de 2017 e anteriores. Foram aperfeiçoadas as instruções de preenchimento no que respeita aos montantes a inscrever no anexo H, em especial neste Quadro 6B, quando no agregado familiar são identificados dependentes em guarda conjunta e se verifique, ou não, a residência alternada.

X.3 – Quadro 6C – Despesas de saúde, formação e educação, encargos com imóveis e com lares

Consideram-se como despesas de formação e educação as despesas relativas a arrendamento de imóvel ou de parte de imóvel a membros do agregado familiar que não tenham mais de 25 anos e frequentem estabelecimentos de ensino previstos no n.º 3 daquele artigo, cuja localização se situe a uma distância superior a 50 km da residência permanente do agregado familiar, para o efeito foi criado um novo código (código 659) que deve ser utilizado sempre que os sujeitos passivos optem no Quadro 6C do anexo H pela declaração das despesas de saúde, de formação e educação, dos encargos com imóveis e dos encargos com lares relativos ao agregado familiar, em alternativa aos valores comunicados à AT:

“Código 659 – Despesas de formação e educação – arrendamento de imóvel ou parte de imóvel por estudante deslocado – alínea d) do n.º 1 do artigo 78.º-D do Código do IRS” Sempre que no Quadro 6C sejam inscritas despesas com o código 659, deve ser preenchido o Quadro 7. 

X.4 – Quadro 7 – Informação relativa a despesas e encargos com imóveis para habitação permanente (artigo 78.º- E do CIRS e artigo 71.º do EBF) e arrendamento de estudante deslocado (artigo 78.º – D do Código do IRS)

Na sequência da dedutibilidade das despesas relativas a arrendamento de imóvel ou parte de imóvel por estudante deslocado, nos termos do artigo 78.º-D do Código do IRS, foi neste Q7 criado, um novo código, “código 07”, para identificação do respetivo Imóvel/locador:

“Código 07 – Encargos com rendas de imóvel ou parte de imóvel destinado a estudante deslocado – alínea d) do n.º 1 do artigo 78.º-D do Código do IRS”.

No caso de estes encargos terem sido realizados fora do território português, deve indicar o respetivo código do país que consta da Tabela X que integra as instruções ao anexo J.

X.5 – Quadro 9A – Deduções ao rendimento – Incentivos à recapitalização das empresas (artigo 43.º-B do EBF)

O artigo 43.º-B ao EBF, prevê que a realização, pelo sujeito passivo, de entradas de capital em dinheiro a favor de uma sociedade na qual detenha uma participação social e que se encontre na condição prevista no artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais confere o direito à dedução até 20% dessas entradas ao montante bruto dos lucros colocados à disposição por essa sociedade ou, no caso de alienação dessa participação, ao saldo apurado entre as mais-valias e menos-valias realizadas nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 10.º do Código do IRS.

Para efeitos de apuramento do benefício fiscal foi criado o Quadro 9A – “Deduções ao rendimento – Incentivos à recapitalização das empresas (art.º 43.º-B do EBF)” destinado à indicação do valor dessas entradas de capital em dinheiro que deve ser preenchido sempre que:

  • sejam colocados à disposição lucros por essa sociedade, ou seja, rendimentos que devem ser declarados no quadro 4B do anexo E com o código E33 e/ou
  • seja alienada essa participação social, ou seja, se realize operação que deva ser declarada no Quadro 9D do anexo G. Nas instruções deste anexo consta um exemplo de preenchimento deste Quadro.

Fonte: Ofício Circulado N.º: 20207 2019-03-13

 

Lisboa, 12 de abril de 2019

Bruno Lagos


Bruno Lagos, Licenciado em Organização e Gestão de Empresas; Mestre em Auditoria Contabilística; Nos últimos 25 anos, técnico superior na Administração Fiscal Portuguesa.

 

 

 

 

 

 

 

Contabilidade

IRS – Modelo 3 – DECLARAÇÃO DE IRS DE 2018 A ENTREGAR EM 2019 – ANEXOS C, D e E

A declaração de IRS, relativa a rendimentos de 2018, a entregar em 2019, foi objeto de várias alterações.

Na sequência do anterior apontamento hoje abordaremos as alterações ocorridas no ANEXO C, D e E.

Devemos referir, em primeiro lugar, que o prazo de entrega da declaração (Modelo 3), este ano, decorre nos meses de Abril, Maio e Junho.

IV – ANEXO C – RENDIMENTOS EMPRESARIAIS E PROFISSIONAIS AUFERIDOS POR SUJEITOS PASSIVOS TRIBUTADOS COM BASE NA CONTABILIDADE ORGANIZADA 

IV.1 – Quadro 3B – Estabelecimento estável

Este quadro passou a ser de preenchimento obrigatório, independentemente de o sujeito passivo ser residente ou não residente.

 

IV.2 – Quadro 4 – Apuramento do Lucro Tributável (obtido em território português)

 O art.º 59.º- I ao EBF, que prevê uma majoração para os gastos do período relativo a obras de conservação e manutenção dos prédios ou parte de prédios afetos a lojas com história, reconhecidas pelo município como estabelecimentos de interesse histórico e cultural ou social local e que integrem o inventário nacional dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou local, para identificação desta majoração procedeu-se à criação do “Campo 474 – Gastos do período relativos a obras de conservação e manutenção dos prédios ou parte de prédios afetos a lojas com história,  devendo ser inscrito neste campo o valor da majoração correspondente a 10% do montante contabilizado como gasto do período.

Nestas situações devem também serem identificados os imóveis em causa no novo Quadro 11-D deste anexo.

 

IV.3 – Quadro 7 – Alienação/desafetação e/ou afetação de direitos reais sobre bens imóveis

Procedeu-se ao ajustamento da designação deste quadro, tendo sido também criados/ajustados os respetivos códigos nas instruções de preenchimento para identificar as operações possíveis, de forma a permitir o correto enquadramento das mesmas, em termos idênticos aos do Quadro 8 do anexo B.

 

IV.4 – Quadro 11D – Identificação dos imóveis qualificados como “Lojas com História” – Lei n.º 42/2017, 14 de junho

Na sequência do aditamento do novo campo do Quadro 4 (campo 474), foi criado o Quadro 11D, destinado à identificação dos imóveis relativamente aos quais foram contabilizados gastos no período respeitantes a obras de conservação e manutenção dos prédios ou parte dos prédios afetos a lojas com história, devendo ser inscrito na coluna “Gastos contabilizados” o valor contabilizado como gasto do período.

 

V – ANEXO D – IMPUTAÇÃO DE RENDIMENTOS DE ENTIDADES SUJEITAS AO REGIME DE TRANSPARÊNCIA FISCAL E DE HERANÇAS INDIVISAS

V.1 – Quadro 4B – Heranças Indivisas – Estabelecimento estável

Aperfeiçoou-se o modelo de impresso, com a criação do Quadro 4B – “Heranças Indivisas – Estabelecimento Estável”, de modo a que seja possível indicar para cada uma das heranças indivisas se a atividade é exercida ou não através de estabelecimento estável.

 

V.2 – Quadro 9 – Deduções à coleta

Aperfeiçoou-se o modelo de impresso alterando este quadro no sentido de permitir a identificação de outras deduções à coleta que devam ser imputadas aos sócios das sociedades de simples administração de bens, que não sejam pagamentos por conta e benefícios fiscais, designadamente o Adicional do IMI. Em conformidade, foram alteradas as instruções de preenchimento tendo sido introduzidos dois códigos de dedução, a saber: “01 – Dedução do Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (AIMI)”; “02 – Outras deduções.

 

VI – ANEXO E – RENDIMENTOS DE CAPITAIS

VI.1 – Quadro 4 – Rendimentos obtidos em território português (instruções)

Na sequência do aditamento ao Estatuto dos Benefícios Fiscais do artigo 43.º-B (Incentivos à recapitalização das empresas) e do artigo 59.º-G (entidades de gestão florestal e unidades de gestão florestal), procedeu-se a alterações nas instruções de preenchimento deste anexo com a criação dos seguintes dois novos códigos que se destinam à indicação da natureza dos rendimentos:

“E33 – Lucros brutos colocados à disposição de sujeitos passivos que detenham uma participação social em sociedades que se encontrem na condição prevista no artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais, a favor das quais realizaram entradas de capital em dinheiro (artigo 43.ºB do EBF)”;

“E34 – Rendimentos distribuídos no âmbito da gestão de recursos florestais por entidades de gestão florestal (EGF) e unidades de gestão florestal (UGF) – n.ºs 2 e 14 do artigo 59.º-G do EBF”.

 

Fonte: Ofício Circulado N.º: 20207 2019-03-13

Lisboa, 8 de abril de 2019

Bruno Lagos


Bruno Lagos, Licenciado em Organização e Gestão de Empresas; Mestre em Auditoria Contabilística; Nos últimos 25 anos, técnico superior na Administração Fiscal Portuguesa.