Browsing Tag

Clientes

Sage Faturação

Como faturar de forma inteligente e aumentar o vosso fluxo de caixa

Todos os negócios começam com um entusiasmo pela existência de clientes dispostos a pagar pelo nosso serviço. Nem sempre prevemos as demoras que a faturação pode levar ou as dificuldades que se podem levantar. Muito rapidamente, pode ser o vosso fluxo de caixa a sofrer. Vamos descobrir como fazer a faturação mais inteligente.

  1. Deixem claras as condições antes de aceitarem o trabalho

Idealmente, antes de aceitarem qualquer trabalho, devem ter estabelecidos os vossos termos e condições. Esclareçam o formato e tipos de pagamentos e a data em que devem ser efetuados, assim como benefícios para pagamentos antecipados e multas para pagamentos atrasados. Estabeleçam normas de que todos tenham conhecimento.

  1. Encurtem os vossos prazos de pagamento

Os pagamentos estendidos a 30 dias são hábitos da época em que eram feitos através de cheques. Com o advento dos pagamentos eletrónicos, o prazo de 30 dias também se tornou obsoleto. Para negócios na indústria dos serviços, pagamentos com prazos de sete dias são comuns. Considerem como exceção à regra os clientes do Estado, pois os pagamentos podem exigir mais burocracia.

  1. Descubram o melhor momento para cobrar

O pagamento ideal é imediato mas, infelizmente, nem sempre acontece. Há estudos que revelam que apenas 18% de faturas são pagas quando ultrapassam os 90 dias após o envio. Há que usar a vossa astúcia. Optem por faturar os vossos clientes ao fim-de-semana, quando recebem menos e-mails; enviem faturas em fornadas pois é mais prático; durante a semana, os momentos ideais para faturar são antes e depois da hora de almoço de terça-feira.

No entanto, o melhor momento para faturar os vossos clientes pode ser indicado pelos próprios; indaguem sobre o seu ciclo de pagamentos para coincidir com a altura em que faturam.

  1. Não permitam crédito

Caso seja necessário, peçam depósitos ao cliente para poderem pagar ao intermediário de cujo trabalho precisam terminar o vosso. Mas não financiem despensas que são da responsabilidade do cliente.

  1. Automatizem ao máximo

Optem por soluções de faturação Sage que vos trarão segurança e automatização. Agilizem a faturação, além da gestão de stock e orçamentos. Por um período limitado de tempo, aproveitem os descontos neste tipo de serviços!

 

Sage Faturação

Como criar o melhor valor para o vosso melhor cliente

Negócios são feitos para lucrar. É natural procurarem sempre novas alternativas para potenciar o vosso lucro. No entanto, nem sempre maior volume de vendas vos trará mais lucro. Por vezes, o lucro máximo está mesmo à vossa frente.

A chave está naquilo que oferecem e a quem. O princípio Pareto estabelece a proporção de 80-20, no vosso negócio, ou seja, que 80% da vossa receita vem de apenas 20% da vossa oferta. Podemos aplicar com sucesso a mesma norma aos vossos clientes e aos vossos preços.

20% dos vossos clientes com maiores gastos pagarão quatro vezes mais que os restantes e os 4%, 16 vezes mais. Compreender estas linhas de investimento pode ter grande impacto nos vossos resultados.

As melhores formas de cobrar mais aos vossos melhores clientes passam por vendas adicionais. Logo após a venda inicial, o cliente está aberto a receber uma sugestão de outro produto que pode completar a venda inicial, a um preço mais em conta.

No caso de produtos de uso recorrente, um modelo de assinatura é uma mais valia para o vosso negócio. Assim, os vossos clientes ganham em conveniência e em valor, ao escolherem uma subscrição, e o vosso negócio ganha receita mensal recorrente e aumenta os valores de longevidade de cliente.

Equacionem experiências VIP, para que os vossos melhores clientes tenham a melhor experiência que o vosso negócio pode proporcionar. Os vossos melhores clientes procurarão também soluções que lhes concedam estatuto. Por isso, tenham ofertas especiais para quem procura a sensação de fazer parte do vosso clube privado.

O vosso objetivo tem que ser oferecer a melhor e mais completa solução aos vossos clientes, para nunca deixarem lucro potencial para trás. Apostem numa solução Sage Faturação, um software certificado para vos ajudar a agilizar os processos mecanizados do melhor potencial do vosso negócio. O estudo dos relatórios de vendas facultados por esta solução Sage levar-vos-ão a faturar ao vosso melhor potencial.  Não deixem de aproveitar um desconto de 25% na compra destas soluções Sage, até 13 de dezembro.

 

Sage Sessions

O poder das Sage Sessions

A segunda edição das Sage Sessions acontecerá já na quinta-feira, dia 29 de novembro, no Centro de Congressos de Lisboa, e debruçar-se-á sobre tecnologia, transformação digital, internacionalização e inteligência artificial. Vamos relembrar a edição anterior.

A primeira edição ocorreu no dia 23 de novembro do ano passado, abordando o tema “O Futuro Agora, em Lisboa”. Além de se ter criado um espaço para networking entre empresas de todas as dimensões, foi também apresentado conteúdo relevante para várias áreas de negócio, com particular incidência sobre a transformação digital.

Contou com a presença de 400 parceiros e 300 empresas (clientes e não clientes), além de ter arrecadado 50 000 live views e conquistado lugar no top trending no Twitter.

As boas vindas foram dadas por Josep Maria Raventos – Country Manager da Sage Portugal. De seguida, Cristina Ferreira lançou o mote “À boleia do digital: da televisão para o mundo do empreendedorismo” e falou da sua veia de empreendedora, daquilo que a levou a explorar outros media além da televisão e daquilo que a motiva a lançar novos negócios.

O sócio partner da PLMJ, Daniel Reis, fez uma intervenção dedicada ao “Impacto do Regime Geral de Proteção de Dados”, que foi seguida de uma apresentação sobre “O que o Office 365 pode fazer pelo seu negócio”, explorando como a sua integração com o software Sage 50c permite maior conetividade no seu negócio.

Por fim, João Vasconcelos, Senior Advisor da Clearwater International e ex-secretário de Estado da Indústria, abordou a questão da “Quarta Revolução Industrial”.

Este ano, mantemos o mesmo objetivo: fazer crescer os negócios e partilhar ideias e experiências. Reservámos a manhã para Parceiros, para apresentar a Visão, Estratégia e Objetivos da Sage para o novo ano fiscal.

Durante a tarde, o chef Ljubomir Stanisic falará sobre gestão dos seus restaurantes e do seu grupo 100 Maneiras. Debater-se-á ainda “Internacionalização e a Transformação Digital”, numa mesa redonda com várias presenças, além de representantes da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP) e a Associação de Economia Digital (ACEPI).

Poderão ainda conhecer algumas das nossas parcerias e novas soluções Sage. Inscrevam-se já na edição das Sage Sessions deste ano, aqui.

 

Sage Faturação

A SoundCloud demorou quatro anos a permitir aos músicos tornar o seu trabalho rentabilizável

Para qualquer músico que se preze com presença online, SoundCloud é um nome muito familiar. A rede social criada em 2007 oferece uma plataforma para se partilhar músicas originais mas a sua evolução nem sempre ocorreu a uma velocidade do século XXI. Dez anos após o seu lançamento, a plataforma finalmente permitiu a rentabilização de conteúdos independentes.

A SoundCloud ofereceu diferentes produtos ao longo do tempo. O SoundCloud Go, para ouvintes, desbloqueava conteúdo licenciado, permitindo também uso offline, livre de anúncios, enquanto que o SoundCloud Pro era um serviço de subscrição para criadores, que permitia a publicação de mais músicas ainda, na plataforma, além de mais controlos de conteúdo e análises avançadas.

A partir de agora, músicos maiores de 18 anos, que paguem a comissão da SoundCloud por publicar as suas músicas originais e que obtenham 5 000 streams mensalmente, podem aderir ao programa SoundCloud Premier. A plataforma afirma que esta partilha de receitas ultrapassa a de qualquer outro serviço de streaming, apesar de não especificar valores.

Com isto, a Soundcloud pretende aumentar o seu conjunto de 20 milhões de artistas, aproveitar a sua presença para impulsionar o número de streams de músicas e pintar o site com conteúdo exclusivo que atraia ouvintes.

Mas vamos dar um passo atrás. Há um ano, a SoundCloud viu-se obrigada a reunir 170 mil milhões de dólares para evitar falência, após ter despedido 40% da sua equipa. Apesar deste revés, a dinâmica do mercado parecia estar do lado da plataforma, uma vez que, ultimamente, o rap underground, característico da SoundCloud, está a receber muita atenção.

Infelizmente, o processo lento da SoundCloud permitiu que os seus concorrentes a ultrapassassem. A Youtube Music lançou em junho um serviço de streaming com um catálogo combinando nomes de grandes editoras e conteúdo carregado por utilizadores. Por outro lado, em setembro, a Spotify passou a possibilitar que artistas independentes passem a carregar as suas músicas diretamente na plataforma.

Surgiu ainda um novo tipo de competição. Serviços de distribuição de licenciamento, como a Dubset, facilitam que as grandes aplicações de streaming publiquem remixes, DJ sets e versões ao vivo – possibilidades que apenas costumavam estar disponíveis na SoundCloud.

Ao adiar a migração do seu serviço para um formato pago e ao demorar a valorizar a sua principal força, o seu conteúdo gerado por artistas independentes, a SoundCloud permitiu que a concorrência à sua volta ocupasse os lugares onde anteriormente marcava a diferença.

Para qualquer tipo de atividade, é ideal que identifiquem o mais cedo possível a vossa característica diferenciadora. Aí, encontram o vosso valor mais importante e podem começar a rentabilizá-lo. Daí em diante, a faturação será o processo mais fácil e podem simplificá-lo ainda mais com uma solução Sage.

 

Sage Faturação

As Frases a usar e a evitar quando falamos com clientes

“Não não está no nosso vocabulário.”, “Diz tudo com um sorriso.” são algumas das frases chavão que abundam no comércio de retalho. Será que estas dicas são eficientes?

 

Qualquer interação bem-sucedida depende de uma comunicação eficaz. No mundo dos negócios, significa conseguir compreender o que os clientes estão a dizer e conseguir responder refletindo essa compreensão.

 

A expansão das redes e comunicações digitais iniciou uma produção massiva de texto, que oferece muita matéria prima pronta a ser analisada por investigadores. Podemos estudar as variações de comunicação entre clientes e consumidores. Assim, saberemos com cada vez mais precisão que tipo de linguagem é mais eficaz.

 

Este tipo de investigação veio desafiar as verdades consagradas do retalho. Por exemplo, existe um número máximo de vezes que um cliente quererá ouvir a palavra “lamento”; e, mesmo sendo membro da equipa, é preferível falar na primeira pessoa do singular do que na primeira pessoa do plural.

 

Estas são os conselhos da investigação sobre linguagem de negócio.

 

Ser humano. Um toque pessoal é essencial. Dado que muitas das nossas interações se estabelecem através da tecnologia, é importante injetá-las com alguma naturalidade.

 

Falem como indivíduos, não como parte da equipa. Representantes da empresa que falavam em seu nome eram mais percecionados como agindo em benefício do cliente, em oposição a quem falava em nome da empresa. Por exemplo, usar “Posso ajudar?” supera “Podemos ajudar?”.

 

Partilhem as mesmas palavras. Utilizar a mesma linguagem que o vosso interlocutor aumenta a sua empatia para convosco. Mantenham-se dentro do mesmo tipo de construção frásica que o cliente e utilizem as mesmas palavras e temáticas. Podem criar um bom relacionamento ao encorajar os vossos colaboradores a imaginar o cliente como alguém com uma origem similar à sua.

 

Comecem por relacionar-se. Palavras relacionais, tais como “por favor”, “obrigado”, “lamento” e sinais verbais de concordância, como “pois” e “exato”. Está demonstrado que iniciar uma interação com este tipo de comunicação é bom primeiro passo para estabelecer uma comunicação bem-sucedida.

 

Depois assumam responsabilidade. A mesma investigação indica que, após estabelecida a deferência para com o cliente, o colaborador deve adotar uma linguagem mais assertiva, para atuarem sobre a situação exposta pelo consumidor.

 

Passem de se relacionar para resolver. Numa fase seguinte, está comprovado que os clientes não estão interessados em reiterações de empatia. Nesse momento, os colaboradores devem apostar em verbos de ação e de resolução. Estes resultados surgem tanto em situações cara a cara, como em interações online.

 

Sejam específicos. As mesmas análises revelaram que os clientes preferem, nesta fase, o uso de uma linguagem concreta, ao dar a entender que o colaborador está psicologicamente mais perto das necessidades do cliente.

 

Ataquem o assunto. O apoio de um serviço ou de um produto deve ser claro e dito com todas as palavras. Expressarem agrado em relação a um livro através do uma opinião explícita como “Eu aconselho esse livro” tem mais sucesso do que dizerem apenas “Eu gosto deste”. Uma aprovação explícita demonstra a confiança e competência do colaborador, algo que é muito importante num contexto de venda em pessoa.

 

À medida que interações de venda são feitas online ou através de meios escritos, reconhecemos a importância de utilizar a linguagem certa. Não nos devemos fiar em chavões antigos quando novos estudos nos dão alternativas fáceis de implementar na nossa forma de comunicarmos com o consumidor.

 

Startups, assim como pequenas e médias empresas, são negócios que tem sucesso devido a um crescimento que corre muito perto dos seus clientes. É imperativo que a vossa comunicação, pessoalmente e online, seja una, acessível e eficaz para que atinjam os vossos objetivos. No final de cada contato, não podem descurar o processo de faturação e Sage One permite-vos faturar com mobilidade, para terminarem qualquer interação de negócios com sucesso, em qualquer lado.