Browsing Tag

Comunicação

Sage Enterprise Management

Como manter relações duradouras com os vossos parceiros comerciais – Parte I

Cultivar relações estáveis e duradouras com fornecedores ou fabricantes pode ser um fator de diferenciação para o vosso negócio – algo vantajoso num mercado cada vez mais competitivo.

As relações de mútuo benefício não se constroem da noite para o dia. Tenham em conta que poderá passar algum tempo entre dar os primeiros passos e obter os primeiros resultados. A perseverança é a chave para encontrar os parceiros que partilham da vossa visão e princípios.

Neste artigo, apresentamos cinco formas de implementar estratégias que podem facilitar a vossa gestão empresarial diária.

  1. Comecem pela vossa rede de contactos

  • Comecem por identificar potenciais parceiros – sejam pessoas ou empresas – na vossa rede de contactos pessoais. Não precisam de estabelecer laços de amizade, mas encontrar parceiros que partilhem dos mesmos interesses e valores pode ser uma vantagem.
  • Outra forma de encontrar parceiros de negócio é junto de um fornecedor em comum – o que vos dá uma oportunidade única de estreitar relações entre todos. Empresas mais distantes da vossa realidade de mercado também podem ser uma solução, mas é possível que levem mais tempo a obter resultados. Assegurem a melhor gestão de vendas do vosso negócio, com um ERP Sage, para potenciarem as parcerias ideais.
  1. Vão além do óbvio

  • Estabelecer parcerias com uma empresa nem sempre é sinónimo de conhecer as pessoas que a gerem. As empresas são feitas de pessoas e a simples saída de um gestor pode mudar por completo o funcionamento e o rumo desse negócio.
  • Tentem sempre conhecer as pessoas que estão por detrás do empreendimento com quem querem estabelecer uma parceria. Descubram o que elas pensam e percebam de que forma podem contribuir para o vosso negócio. Olhar para lá do vosso círculo pessoal ajuda-vos a encontrar mais e melhores oportunidades.
  • Procurem desenvolver uma relação que não esteja assente apenas em orçamentos e contratos. Um telefonema a dar os parabéns, um postal de natal ou uma mensagem a desejar boas férias são formas simples (e sinceras) de demonstrar interesse em construir algo maior que um simples contrato comercial.
  1. Cuidado com a competição

  • Não deixem passar a oportunidade de fechar contratos de exclusividade e confidencialidade com os vossos fornecedores. Muitas empresas– como a Apple, por exemplo – viram a sua estratégia comercial prejudicada quando os fornecedores revelaram certos detalhes  do protótipo antes do tempo.

Embora extremos, os contratos de confidencialidade reforçam a importância de uma parceria assente na exclusividade. Não deixem de fora a hipótese de ter que implementar este tipo de acordos e valorizem os parceiros que estejam dispostos a ajustar-se às necessidades do vosso plano.

Sage One

Growth hacking, ou como inovar com a vossa comunicação

Growth hacking, ou seja, piratear o vosso crescimento. Hoje em dia, até no mundo dos negócios, o underground se tornou mainstream e daí surge a ideia dos growth hackers.

O conceito de growth hacking foi lançado pelo empreendedor Sean Ellis em 2010. O intuito é chegar a um público sempre maior. Funciona particularmente com startups e pequenas empresas em início de vida pois oferece métodos imaginativos e experimentais de marketing, com vista a aumentar a dimensão do negócio.

O processo de um growth hacker envolve vários ciclos rápidos de teste, feedback e ajustes de curso para chegar à descoberta da melhor estratégia para impulsionar o crescimento do vosso negócio e da vossa carteira de clientes. A promessa é encontrar a aproximação mais ágil e eficaz em termos de expansão da vossa empresa.

“Escalabilidade”

O fator indispensável para o crescimento de um negócio é o produto com capacidade de ser vendido a grande escala. O segundo requerimento é a simplicidade e flexibilidade do modelo de negócio. Uber e Airbnb são dois exemplos de serviços que apresentavam potencial de venda a uma escala maior do que o mercado original, assim como adaptáveis a mercados diferentes e às suas necessidades.

Criatividade

Growth hacking não é uma receita milagrosa para o sucesso. O seu traço principal passa por abrir as portas a novas ideias, sem se prender às regras tradicionais do mercado. Assim, podem dedicar-se puramente a aperfeiçoar técnicas de crescimento novas abordagens criativas.

Obrigatório é a análise constante de respostas e reações às vossas ações, para poderem implementar mudanças instantaneamente. Recolham feedback junto dos vossos clientes e examinem o sucesso de vendas para lançarem mudanças em grande escala. As soluções de Sage One permitir-vos-ão controlar faturação e despesas e gerir encomendas. Aproveitem um desconto de 30% durante dois anos, por tempo limitado!

 

Sage Faturação

As Frases a usar e a evitar quando falamos com clientes

“Não não está no nosso vocabulário.”, “Diz tudo com um sorriso.” são algumas das frases chavão que abundam no comércio de retalho. Será que estas dicas são eficientes?

 

Qualquer interação bem-sucedida depende de uma comunicação eficaz. No mundo dos negócios, significa conseguir compreender o que os clientes estão a dizer e conseguir responder refletindo essa compreensão.

 

A expansão das redes e comunicações digitais iniciou uma produção massiva de texto, que oferece muita matéria prima pronta a ser analisada por investigadores. Podemos estudar as variações de comunicação entre clientes e consumidores. Assim, saberemos com cada vez mais precisão que tipo de linguagem é mais eficaz.

 

Este tipo de investigação veio desafiar as verdades consagradas do retalho. Por exemplo, existe um número máximo de vezes que um cliente quererá ouvir a palavra “lamento”; e, mesmo sendo membro da equipa, é preferível falar na primeira pessoa do singular do que na primeira pessoa do plural.

 

Estas são os conselhos da investigação sobre linguagem de negócio.

 

Ser humano. Um toque pessoal é essencial. Dado que muitas das nossas interações se estabelecem através da tecnologia, é importante injetá-las com alguma naturalidade.

 

Falem como indivíduos, não como parte da equipa. Representantes da empresa que falavam em seu nome eram mais percecionados como agindo em benefício do cliente, em oposição a quem falava em nome da empresa. Por exemplo, usar “Posso ajudar?” supera “Podemos ajudar?”.

 

Partilhem as mesmas palavras. Utilizar a mesma linguagem que o vosso interlocutor aumenta a sua empatia para convosco. Mantenham-se dentro do mesmo tipo de construção frásica que o cliente e utilizem as mesmas palavras e temáticas. Podem criar um bom relacionamento ao encorajar os vossos colaboradores a imaginar o cliente como alguém com uma origem similar à sua.

 

Comecem por relacionar-se. Palavras relacionais, tais como “por favor”, “obrigado”, “lamento” e sinais verbais de concordância, como “pois” e “exato”. Está demonstrado que iniciar uma interação com este tipo de comunicação é bom primeiro passo para estabelecer uma comunicação bem-sucedida.

 

Depois assumam responsabilidade. A mesma investigação indica que, após estabelecida a deferência para com o cliente, o colaborador deve adotar uma linguagem mais assertiva, para atuarem sobre a situação exposta pelo consumidor.

 

Passem de se relacionar para resolver. Numa fase seguinte, está comprovado que os clientes não estão interessados em reiterações de empatia. Nesse momento, os colaboradores devem apostar em verbos de ação e de resolução. Estes resultados surgem tanto em situações cara a cara, como em interações online.

 

Sejam específicos. As mesmas análises revelaram que os clientes preferem, nesta fase, o uso de uma linguagem concreta, ao dar a entender que o colaborador está psicologicamente mais perto das necessidades do cliente.

 

Ataquem o assunto. O apoio de um serviço ou de um produto deve ser claro e dito com todas as palavras. Expressarem agrado em relação a um livro através do uma opinião explícita como “Eu aconselho esse livro” tem mais sucesso do que dizerem apenas “Eu gosto deste”. Uma aprovação explícita demonstra a confiança e competência do colaborador, algo que é muito importante num contexto de venda em pessoa.

 

À medida que interações de venda são feitas online ou através de meios escritos, reconhecemos a importância de utilizar a linguagem certa. Não nos devemos fiar em chavões antigos quando novos estudos nos dão alternativas fáceis de implementar na nossa forma de comunicarmos com o consumidor.

 

Startups, assim como pequenas e médias empresas, são negócios que tem sucesso devido a um crescimento que corre muito perto dos seus clientes. É imperativo que a vossa comunicação, pessoalmente e online, seja una, acessível e eficaz para que atinjam os vossos objetivos. No final de cada contato, não podem descurar o processo de faturação e Sage One permite-vos faturar com mobilidade, para terminarem qualquer interação de negócios com sucesso, em qualquer lado.

 

Faturação Sage Faturação

4 Dicas para comunicar melhor

A tecnologia teve um impacto transformador nas comunicações quer a nível das empresas, quer a nível pessoal. Neste artigo vamos abordar algumas sugestões para melhorar as suas capacidades de comunicação.

Selecionar a informação.

Sem dúvida que uma seleção da informação torna a comunicação mais eficaz. Porém, se colocarem muita informação, pode parecer que estão a exibir demasiados conhecimentos face aos do vosso interlocutor.

Se optarem por incluir mais explicações, podem sempre experimentar uma abordagem delicada. Indiquem que, mesmo que a pessoa a quem se dirigem já tenha conhecimento destes elementos, consideraram melhor incluir explicações mais detalhadas. Desta forma evitam ofender o recetor.

Adequar o discurso.

Selecionem o tom adequado à vossa audiência tendo em conta a sua origem, experiência ou capacidade de compreensão. À medida que avançam, verifiquem se todos estão a perceber e acompanhar a mensagem. Uma das formas de o fazer é perguntar sobre qual o próximo passo lógico, tendo em conta o projeto apresentado.

Linguagem corporal.

Estejam conscientes da importância da linguagem corporal, evitem cruzar os braços, inclinarem-se para trás ou fugirem ao contacto visual. Todos estes gestos podem ser vistos como negativos, assim como, por exemplo, suspirarem ou apoiarem a cabeça na mão. É fácil não se aperceberem da vossa linguagem corporal.

Uma forma de conseguirem analisar onde devem melhorar é pedirem feedback a outros colaboradores. Por difícil que seja ouvir este comentário, é uma oportunidade para melhorarem. Tentem corrigir apenas um elemento de cada vez de vez pois isso costuma ser mais eficaz.

Ouvir atentamente.

Não deve existir multitasking quando se está a comunicar. Mesmo que consigam ouvir e responder com competência enquanto consultam o e-mail, o vosso interlocutor vai sentir que não é importante ou que não lhe é concedida a atenção merecida. Treinem-se a ouvir atentamente, mesmo que esta ação não pareça importante.

Um software que ajuda a comunicar.

Sage Contact e o Office 365 associados ao software de Faturação Sage permitem que estejam sempre em contacto com os vossos clientes, colaboradores ou fornecedores, em qualquer lugar.

As empresas que desejem um lugar no futuro devem investir na conetividade. Comunicar de forma eficaz nunca foi tão importante.

 

 

 

 

 

 

 

BMS Gestão de Empresas

Como fazer uma apresentação que deslumbre uma audiência

A maioria dos lideres consegue fazer uma apresentação sobre um tema sob o qual habitualmente trabalham sem grande dificuldade, mas conseguir uma comunicação cativante e que fique na memória da audiência não é assim tão fácil.

Uma semana depois de assistirmos a uma comunicação, apenas recordamos 10% do seu conteúdo. Para que as ideias permaneçam na mente há que articular alguns pontos sem se estenderem demasiado, nem abusarem do uso de Powerpoint. É importante que as ideias transmitidas permaneçam na mente de quem escuta a apresentação.

Algumas dicas que a neurociência nos ensinou.

A forma como o nosso cérebro consome informação tem um efeito importante sobre se os conteúdos permanecem na memória. Em geral construímos a nossa comunicação através de argumentos racionais, reunindo informação e dados variados, no entanto os argumentos racionais são os primeiros que esquecemos.

Os nossos cérebros retêm primeiramente ideias, o hemisfério esquerdo ilumina-se e cria memórias, o hemisfério direito processa dados, mas rapidamente os esquece.

O papel de Storytelling.

Quando nos contam uma história, diferentes áreas do cérebro processam os elementos relacionados com a descrição de sons e cores. As reações não variam de pessoa a pessoa, os nossos cérebros reagem da mesma forma.

Nas apresentações há que ter em conta este dado e criar uma narrativa que inclua a informação, com a qual se construa uma ligação afetiva.

O poder da informação visual.

Uma imagem que contenha informação é mais facilmente memorizada, beneficiando a comunicação, sendo que a audiência passa a conseguir visualizar a narrativa. Para isso a parte visual tem de ser utilizada de forma correta, explicando ou ilustrando a ideia.

Deve ser apresentada uma imagem apenas por tema e deve ser retirada logo que deixe de ser relevante. A apresentação de muito material visual causa fadiga. Os elementos físicos ou artefactos também têm um papel particularmente importante no estimular da memória, usar adereços mesmo quando são só mostrados, podem ajudar à retenção.

Jogar com o contraste.

Usar no discurso um jogo de oposição entre contrastes, desperta a atenção do nosso cérebro. Reagimos bem a ideias contrastantes ou trocadilhos linguísticos. Metáforas e alegorias também têm o efeito de originar uma melhor visualização.

Da mesma forma que para bem comunicar devemos ter em conta o que sabemos sobre o nosso cérebro, para bem gerir uma empresa devemos contar com software de ERP. Um software de ERP como Sage X3 permite otimizar as operações da empresa, correspondendo à procura e garantindo a eficiência por meio de monotorização em tempo real do inventário.

Para conseguir atingir os melhores resultados possíveis, há que contar com a informação e tecnologia mais avançada, um apoio essencial para a superação de metas e sucesso de qualquer empresa.