Browsing Tag

Finanças

Sage One

A melhor forma de gerir o vosso fluxo de caixa 

Todos conhecemos o sonho da start-up ideal, que, com uma ideia genial, se torna a líder de uma nova área de mercado. No entanto, este nem é sempre o caso. Infelizmente, muitas start-ups esgotam o seu financiamento. Para que o vosso negócio tenha sucesso precisam de planeamento estratégico de fluxo de caixa, para além da vossa ideia inovadora.

A tecnologia financeira, ou fintech, já traz a qualquer negócio atual os benefícios de automatizar muitos processos demorados, ao dispensar especialistas dispendiosos e mecanizar os relatórios de fluxo de caixa. Hoje vamos explorar outros quatro ângulos a considerar, ao gerir o vosso fluxo de caixa.

  1. Conheçam o vosso cliente

Tanto negócios como B2B (Business to Business, ou seja, Negócio vendendo a Negócio) ou como B2C (Business to Client, ou seja, Negócio vendendo a Cliente), devem investir na identificação dos seus clientes. Devem identificar os clientes pagantes e os não pagantes. No caso de B2B, considerarem investir no tipo de plataformas que identificam clientes com crédito de risco.

  1. Faturação à hora certa

Apesar do ideal empresarial ser um pagamento imediato, muitas vezes, é preciso oferecer condições de pagamentos adequadas às necessidades do cliente. Para isso, facilitem o pagamento, com várias opções que ajudem a uma compra rápida e simples. Eliminem métodos de pagamento antiquadas, como cheques, e adotem a faturação digital. Optem por Sage One, para lançarem a faturação certificada do vosso novo negócio. Beneficiem de total acessibilidade à plataforma online e dediquem mais tempo à vossa especialidade!

No caso de pagamentos em atraso, considerem uma solução de gestão de devedores para automatizar o lançamento de lembretes de pagamento. Por fim, equacionem descontos no caso de pagamentos antecipados e depósitos no caso de grandes encomendas, para cobrir o custo de produção.

  1. Prever o futuro do vosso fluxo de caixa

A adoção de um sistema de contabilidade na Cloud possibilita um seguimento da performance do vosso negócio. Esse conhecimento da realidade das vossas finanças facilita a criação de planos futuros, que podem facilitar a negociação de termos de vendas com novos clientes.

  1. Considerar financiamento alternativo

O financiamento certo para o vosso negócio é aquele que responde às vossas necessidades, de acordo com a vossa maturidade e possibilidade de pagamento. Existem opções de invoice finance, que vos permitem receber antecipadamente pagamentos já faturados, peer-to-peer lending, que vos permite receber empréstimos dos vossos pares, crowdfunding, que assegura o pagamento dos vossos clientes futuros com campanhas online, e bolsas que, apesar de raras, tendem a adequar-se a negócios de inovação e preservação. Devem escolher a solução que mais se adapte ao perfil do vosso negócio.

 

Sage Faturação

Como faturar de forma inteligente e aumentar o vosso fluxo de caixa

Todos os negócios começam com um entusiasmo pela existência de clientes dispostos a pagar pelo nosso serviço. Nem sempre prevemos as demoras que a faturação pode levar ou as dificuldades que se podem levantar. Muito rapidamente, pode ser o vosso fluxo de caixa a sofrer. Vamos descobrir como fazer a faturação mais inteligente.

  1. Deixem claras as condições antes de aceitarem o trabalho

Idealmente, antes de aceitarem qualquer trabalho, devem ter estabelecidos os vossos termos e condições. Esclareçam o formato e tipos de pagamentos e a data em que devem ser efetuados, assim como benefícios para pagamentos antecipados e multas para pagamentos atrasados. Estabeleçam normas de que todos tenham conhecimento.

  1. Encurtem os vossos prazos de pagamento

Os pagamentos estendidos a 30 dias são hábitos da época em que eram feitos através de cheques. Com o advento dos pagamentos eletrónicos, o prazo de 30 dias também se tornou obsoleto. Para negócios na indústria dos serviços, pagamentos com prazos de sete dias são comuns. Considerem como exceção à regra os clientes do Estado, pois os pagamentos podem exigir mais burocracia.

  1. Descubram o melhor momento para cobrar

O pagamento ideal é imediato mas, infelizmente, nem sempre acontece. Há estudos que revelam que apenas 18% de faturas são pagas quando ultrapassam os 90 dias após o envio. Há que usar a vossa astúcia. Optem por faturar os vossos clientes ao fim-de-semana, quando recebem menos e-mails; enviem faturas em fornadas pois é mais prático; durante a semana, os momentos ideais para faturar são antes e depois da hora de almoço de terça-feira.

No entanto, o melhor momento para faturar os vossos clientes pode ser indicado pelos próprios; indaguem sobre o seu ciclo de pagamentos para coincidir com a altura em que faturam.

  1. Não permitam crédito

Caso seja necessário, peçam depósitos ao cliente para poderem pagar ao intermediário de cujo trabalho precisam terminar o vosso. Mas não financiem despensas que são da responsabilidade do cliente.

  1. Automatizem ao máximo

Optem por soluções de faturação Sage que vos trarão segurança e automatização. Agilizem a faturação, além da gestão de stock e orçamentos. Por um período limitado de tempo, aproveitem os descontos neste tipo de serviços!

 

Sage Sessions

Quatro conselhos financeiros que todos os empreendedores querem ouvir

Ljubomir Stanisic é a face do programa de televisão mais visto em 2017, “Pesadelo na Cozinha”. No entanto, mesmo na ribalta, não se coíbe de partilhar como a falência do seu primeiro restaurante moldou o seu percurso. Aberto em 2007, o 100 Maneiras do Hotel Villa Albatroz, em Cascais, fechou no ano seguinte, resultado declarado de uma má gestão e pela crise económica. No programa “Alta Definição”, admitiu a Daniel Oliveira que “foi um abanão muito grande na minha vida, (…) quase um funeral”.

Pagou a sua dívida em sete anos e, em 2009, com €12 000, abriu o restaurante 100 Maneiras, no Bairro Alto. Agradece ainda hoje a gentileza dos vendedores do mercado da Ribeira que lhe permitiam pagar os víveres no dia seguinte, com os lucros do restaurante da noite anterior.

Apesar de, nos últimos anos, se manter a tendência de diminuição de insolvências de empresas portuguesas, a falta de liquidez ainda afeta muitos negócios. A vida financeira de um negócio pode desenrolar-se de muitas formas mas os empreendedores devem reconhecer quando a sua grande ideia pede a perícia de outrem.

É indispensável terem consciência dos vossos pontos fortes e foi isso mesmo que permitiu ao chef Ljubomir voltar a investir na sua área de especialidade. O chef jugoslavo admite que gerir finanças não é o seu forte, nem na esfera privada, nem nos seus restaurantes. Optou por criar uma equipa de gestão financeira, cabeceada pela sua irmã, mais apta nesta área, a quem entregou a gerência do grupo 100 Maneiras.

Ao lançar o vosso negócio e para o manter no caminho certo, devem ter mente estas quatro ideias chave.

  1. Compreendam a verdade sobre crédito

Por vezes, a melhor forma de dar asas ao vosso negócio é através de uma linha de crédito, que testará o vosso perfil de crédito pessoal.

Evitem aumentar a dívida máxima no vosso crédito, saldem as vossas dívidas e mantenham as vossas contas mais antigas.

  1. Antecipem o inesperado

As despesas nem sempre surgem de onde esperamos. Colmatem qualquer necessidade com o conhecimento especializado de um advogado, por exemplo, que analisará as características do vosso negócio e vos aconselhará como se protegerem contra possíveis dificuldades.

  1. Separem finanças pessoais e de negócio

Considerem injetar investimento pessoal no vosso negócio, para arrancar ou para o levar a novas alturas. No entanto, analisem sempre as folhas de balanço racionalmente. Ouçam o mercado, caso esteja a rejeitar o vosso produto, e não invistam dinheiro num negócio sem sucesso.

  1. Ouçam a verdadeira motivação

Lancem projetos nos quais acreditam, para que até os maus momentos valham a pena. Todas as empreitadas de sucesso têm fundadores apaixonados no comando por isso apostem sempre nas vossas ideias que mais vos entusiasmam!

Em resumo, empreendedores que estabelecem limites para si próprios, aprendem com quem os rodeia e planeiam contra imprevistos estão preparados para contratempos financeiros. Ljubomir Stanisic é prova viva; em 2017, nove anos após a falência do seu primeiro restaurante, o Bistro 100 Maneiras foi eleito pela revista Monocle como o melhor restaurante do mundo. Inscreva-se já, nas Sage Sessions, para o ouvir, já no dia 29 de novembro.

 

Sage One

Compreender o fluxo de caixa do vosso negócio

A liquidez é a melhor amiga de qualquer negócio. Sem ela, um negócio não funciona, como nós sem oxigénio. Um relatório de fluxo de caixa é a ferramenta indicada para indicar o caminho da vossa atividade principal, como uma lista de mandamentos de negócio. Por isso, neste artigo, vamos estabelecer as noções básicas deste tema.

As regras do fluxo de caixa

A regra número um é que, em qualquer mês, devem faturar mais do que gastam. Pode parecer uma norma simples mas é um mandamento que, por vezes, escapa. A regra número dois é que a faturação tem de ocorrer no momento certo.

Um relatório de fluxo de caixa demonstrar-vos-á os vossos prejuízos e lucros. Criem uma folha de cálculo de 12 meses e estruturem um plano de vendas e de quando devem receber pagamentos.

Numa coluna seguinte, calculem o que devem pagar e quando. Considerem processamento de salários e ciclos de negócio, além de custos constantes, como renda e financiamento bancário. Devem assegurar-se que a liquidez dos meses mais gordos ajuda a cobrir os meses mais magros.

Os altos e baixos do negócio

Depressa vão descobrir, caso ainda não o saibam, que a liquidez de um negócio tende a subir e descer, como uma onda. Devem estruturar as vossas finanças de forma a que nenhum período previsível de necessidade surja em momentos de menor liquidez. A projeção de um relatório de fluxo de caixa ajuda a prever o futuro das vossas obrigações e benefícios.

Com tempo e experiência do vosso negócio, a comparação entre relatórios e vendas concretas permitirão que identifiquem momentos de maior pressão que possam ser antecipados.

Buracos financeiros antecipados

Um relatório de liquidez é como um mapa que oferece visibilidade sobre o futuro do vosso negócio. Imaginemos, por exemplo, que sabem como as vossas vendas se vão desenrolar em qualquer mês. No entanto, faturam de 30 em 30 dias e no momento da entrega do vosso produto. Isto pode significar que não recebem pagamentos durante seis semanas. Qualquer cobrança na quinta semana pode resultar num buraco financeiro que deve ser solucionado. Um relatório de fluxo de caixa possibilita compreensão do vosso mês de vendas e até antecipação de imprevistos deste tipo.

A importância de um relatório de liquidez

Liquidez é a realidade do vosso negócio e o principal fator que o permite sobreviver e prosperar. Assim, um relatório é um mapa dos meandros das finanças da vossa empreitada, desde o agente mais importante, o pagamento dos vossos clientes, e financiamento e empréstimos, até todas as despesas, de fornecedores, renda, salários e custos gerais. Não dispensem a inclusão de pagamento de impostos.

Não se esqueçam do adágio de vendas: volume de negócio é vaidade, lucro é sanidade, liquidez é realidade. Podem ter um volume de negócio grande, sem lucro ou com grande lucro, sem liquidez, devido a dívidas. Devem conhecer todos os números que constituem a realidade do vosso negócio. No entanto, é indispensável que compreendam a importância de ter uma imagem clara da liquidez da vossa empresa, para que possam jogar com valores concretos e manter o vosso negócio com sucesso.

Com Sage One, podem organizar faturação, gerar relatórios de ganhos e perdas, acompanhar as despesas de compra do vosso negócio e consultar relatórios de antiguidade de saldo de clientes e fornecedores. Mantenham-se ao corrente de todas as vossas contas!

 

Gestão de Empresas

Impacto das propostas do Orçamento do Estado nos colaboradores

No artigo de ontem, discutimos as propostas do Orçamento do Estado e possíveis efeitos na vossa empresa. Também existem alterações e benefícios a serem discutidas atualmente para os colaboradores da vossa empresa.

Incentivos à migração para interior

No nosso artigo de ontem, apontámos os benefícios para as empresas que queiram estabelecer-se no interior do país, com as propostas deste Orçamento do Estado. No entanto, as vantagens não favorecem apenas os empregadores. As famílias que se mudem para o interior, durante os primeiros três anos, beneficiarão de uma dedução à coleta de IRS fortalecida, podendo deduzir até 1000€ nas rendas. Os estudantes poderão também deduzir 40% das despesas de educação até um limite de 1000€, solidificando as vantagens de uma mudança para o interior de Portugal.

Horas extra com taxa de retenção autónoma

As horas extra serão “objeto de retenção autónoma”, aplicando-se a mesma taxa utilizada com rendimentos de trabalho. Assim, as horas de trabalho extra deixam de fazer subir a carga fiscal de um colaborador, passando a ser taxadas de forma não cumulativa. O trabalhador levará mais dinheiro para casa mensalmente, apesar de o IRS a pagar se manter e ser acertado na liquidação.

Passe social único para famílias

Já a partir de janeiro do próximo ano, a conta dos transportes das famílias, das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, terá um novo teto. Cada família deve pagar, no máximo, o valor de dois passes (entre 60 e 80 euros totais), para incentivar a utilização dos transportes públicos.

Alterações no IRS

O IRS deve voltar a descer, uma diminuição ainda resultante da diferença entre as mudanças nos escalões em 2018 e as tabelas de retenção na fonte.

Alongamento do prazo de entrega do IRS online

O prazo de entrega da declaração de IRS por via eletrónica será alongado até ao fim do mês de junho, avançando mais 30 dias sobre o prazo máximo atual, 31 de maio.