Browsing Tag

Gestão

Sage Enterprise Management

Não se fiquem pelas palavras, passem aos atos!

O adágio “Faz o que eu digo mas não faças o que eu faço” ditou a liderança empresarial durante muito tempo mas, atualmente, esta máxima paternalista não funcionará com os vossos clientes e colaboradores. A paixão pelo vosso negócio lidera a vossa vida profissional, por isso facilmente conseguirão liderar pelo exemplo.

Demonstrem o vosso compromisso para com a vossa empresa com as vossas ações e dêem sempre o exemplo. Comecem com estes cinco passos.

  1. Certifiquem-se que as vossas políticas de trabalho alinham com as vossas crenças principais pessoais

A vossa identificação com o vosso negócio é o vosso maior trunfo! O mais provável é partilharem uma grande afinidade pelos objetivos a longo prazo ou com o vosso produto e, por isso mesmo, a vossa autenticidade facilmente será visível no vosso negócio.

Clarifiquem os valores da vossa empresa para que a identidade do vosso negócio seja sólida e tenha um caminho bem delineado no futuro.

  1. Estabeleçam aquilo que deve ser alterado

As ações e comportamentos dos vossos colaboradores no contexto de trabalho não devem discordar das políticas do vosso negócio. Analisem o vosso ambiente de trabalho e conferenciem com diferentes colaboradores para compreender onde surgem discrepâncias e porquê. Assim, conseguirão desenhar formações e ações para fortalecer a compreensão dos valores que devem respeitar.

Uma opção Sage x3 People pode trazer-vos a gestão integrada ideal que una todos os departamentos que compõe o vosso negócio, assim como agilizar o desenvolvimento e formação de capital humano, para que haja união na comunicação de valores.

  1. Sejam os modelos do comportamento que querem ver

Adaptem rotinas e práticas para coincidirem com a identidade que querem que a vossa empresa tenha. Os vossos colaboradores sentir-se-ão mais encorajados a implementar mudança se tiverem o exemplo vivo dos seus líderes.

  1. Comuniquem os valores do vosso negócio

Envolvam os vossos colaboradores diretamente, numa comunicação aberta, sobre as mudanças nas políticas de trabalho. Uma discussão rica, em que os vossos colaboradores são consultados, reforça os laços de trabalho e pode fortalecer o desenvolvimento dos vossos valores.

  1. Sejam consistentes

A mudança é a base do negócio mas respeitem os valores estabelecidos e tornem-nos respeitáveis. Demonstrem dedicação e esforço constante para chegar aos vossos objetivos, de acordo com os valores integrais ao vosso negócio.

 

Gestão de Pessoas Sage Enterprise Management

Como gerir uma equipa passivo-agressiva

Há dias de trabalho que antecipamos que sejam calmos mas nos surpreendem. A vossa equipa deveria ser apresentar resultados, como acordado, mas não estão a responsabilizar-se pelo projeto. As suas ações não coincidem com o seu discurso, ou seja, a descrição clássica de comportamento passivo-agresssivo.

Estejam atentos às seguintes atitudes: sabotagem dos esforços do outro; procrastinação; entrega de trabalho medíocre; desvalorização de urgência do trabalho; falta de compromisso; queixas ou distribuição não fundamentada de culpa.

Lidar com este tipo de equipas é desafiante. Este tipo de situações exigem um tratamento direto e aqui temos algumas ações a tomar.

  1. Olhem-se no espelho

Deem um passo atrás para compreender e analisem o vosso comportamento, como gestores. Comecem com um momento de introspeção. Analisem como podem ter contribuído para o comportamento negativo da vossa equipa.

  1. Criem um ambiente seguro

Quando as pessoas sentem que não podem expressar os seus sentimentos e pensamentos, tendem a conter emoções – impactando as suas ações ou inações. Garantam um ambiente de trabalho seguro, em que os vossos colaboradores se sintam confortáveis.

  1. Ouçam os vossos colaboradores

A passivo-agressividade pode nascer em colaboradores que não sejam consultados. Comunicação direta com a vossa equipa deve dar-vos uma noção clara daquilo que contribuiu para a vossa situação. Não devemos esquecer que sentir que a sua própria voz é ouvida contribui para um compromisso maior.

  1. Comuniquem o porquê, além do quê

Normalmente, a comunicação de objetivos nunca falha. No entanto, nem todos os gestores comunicam bem as razões por detrás de projetos. A realidade é que, quando os colaboradores reconhecem as razões por que um plano é importante, conseguem investir-se de corpo e alma.

  1. Giram expetativas

Disparidade de expetativas pode também ser causa de passivo-agressividade. Quando a informação não flui corretamente e as expetativas não são bem delineadas para cada colaborador, torna-se difícil de atingir um objetivo desfocado. Criem um ambiente em que se possa sempre clarificar e negociar expetativas de trabalho.

  1. Giram comportamento negativo

Comportamento passivo-agressivo pode acontecer tanto ao nível de equipa, como individualmente. Este tipo de atitude tem de ser apontada e, os autores, responsabilizados. Os gestores não podem ceder à passividade, pois têm que impor consequências caso as expetativas não sejam cumpridas.

  1. Fomentem a comunicação

A melhor forma de estarem informados sobre problemas e situações relativas à vossa equipa é manter todos os canais de comunicação abertos e manter relações próximas. Acompanhem de perto o trabalho e as relações, para resolverem situações assim que surjam.

  1. Não participem neste tipo de comportamento

Gestores podem espelhar o comportamento das suas próprias equipas, com os mesmos padrões negativos. Mantenham uma atitude aberta e comportamentos construtivos.

Propiciem a produtividade e colaboração das vossas equipas de trabalho, com uma solução Sage Gestão e beneficiem de um desconto de 30% na compra, até 6 de dezembro. Ajudará o serviço ao cliente e permitirá aos vossos colaboradores dar sempre o seu melhor. Ganhem tempo para promover um ambiente de trabalho saudável que alimente a estrutura da vossa equipa!

 

Sage One

Compreender o fluxo de caixa do vosso negócio

A liquidez é a melhor amiga de qualquer negócio. Sem ela, um negócio não funciona, como nós sem oxigénio. Um relatório de fluxo de caixa é a ferramenta indicada para indicar o caminho da vossa atividade principal, como uma lista de mandamentos de negócio. Por isso, neste artigo, vamos estabelecer as noções básicas deste tema.

As regras do fluxo de caixa

A regra número um é que, em qualquer mês, devem faturar mais do que gastam. Pode parecer uma norma simples mas é um mandamento que, por vezes, escapa. A regra número dois é que a faturação tem de ocorrer no momento certo.

Um relatório de fluxo de caixa demonstrar-vos-á os vossos prejuízos e lucros. Criem uma folha de cálculo de 12 meses e estruturem um plano de vendas e de quando devem receber pagamentos.

Numa coluna seguinte, calculem o que devem pagar e quando. Considerem processamento de salários e ciclos de negócio, além de custos constantes, como renda e financiamento bancário. Devem assegurar-se que a liquidez dos meses mais gordos ajuda a cobrir os meses mais magros.

Os altos e baixos do negócio

Depressa vão descobrir, caso ainda não o saibam, que a liquidez de um negócio tende a subir e descer, como uma onda. Devem estruturar as vossas finanças de forma a que nenhum período previsível de necessidade surja em momentos de menor liquidez. A projeção de um relatório de fluxo de caixa ajuda a prever o futuro das vossas obrigações e benefícios.

Com tempo e experiência do vosso negócio, a comparação entre relatórios e vendas concretas permitirão que identifiquem momentos de maior pressão que possam ser antecipados.

Buracos financeiros antecipados

Um relatório de liquidez é como um mapa que oferece visibilidade sobre o futuro do vosso negócio. Imaginemos, por exemplo, que sabem como as vossas vendas se vão desenrolar em qualquer mês. No entanto, faturam de 30 em 30 dias e no momento da entrega do vosso produto. Isto pode significar que não recebem pagamentos durante seis semanas. Qualquer cobrança na quinta semana pode resultar num buraco financeiro que deve ser solucionado. Um relatório de fluxo de caixa possibilita compreensão do vosso mês de vendas e até antecipação de imprevistos deste tipo.

A importância de um relatório de liquidez

Liquidez é a realidade do vosso negócio e o principal fator que o permite sobreviver e prosperar. Assim, um relatório é um mapa dos meandros das finanças da vossa empreitada, desde o agente mais importante, o pagamento dos vossos clientes, e financiamento e empréstimos, até todas as despesas, de fornecedores, renda, salários e custos gerais. Não dispensem a inclusão de pagamento de impostos.

Não se esqueçam do adágio de vendas: volume de negócio é vaidade, lucro é sanidade, liquidez é realidade. Podem ter um volume de negócio grande, sem lucro ou com grande lucro, sem liquidez, devido a dívidas. Devem conhecer todos os números que constituem a realidade do vosso negócio. No entanto, é indispensável que compreendam a importância de ter uma imagem clara da liquidez da vossa empresa, para que possam jogar com valores concretos e manter o vosso negócio com sucesso.

Com Sage One, podem organizar faturação, gerar relatórios de ganhos e perdas, acompanhar as despesas de compra do vosso negócio e consultar relatórios de antiguidade de saldo de clientes e fornecedores. Mantenham-se ao corrente de todas as vossas contas!

 

Gestão Financeira

A resposta para as vendas de Natal perfeitas está nas vossas mãos

Muitas empresas de retalho veem as suas vendas anuais subir 30% no final do ano. No entanto, cada ano é diferente e esta época de festas tende a ser volátil. A boa notícia é que a chave para criar o plano de vendas ideal está escondida nos relatórios do vosso negócio.

O estudo dos padrões de comportamento dos vossos clientes oferecer-vos-á a melhor forma de estabelecer preços, deslindar necessidades de stock e como determinar a vossa estratégia de marketing.

Determinem a direção de vendas da mesma época no ano anterior

Partindo dos vossos relatórios de faturação mensais, assim como do acumulado do ano fiscal, desenhem a história de vendas do ano anterior, no período em questão. Sem este tipo de informação, será impossível fazerem uma comparação para precisar se estão a ter sucesso ou não.

Definam metas de vendas

Estudem os resultados de vendas de anos anterior e esbocem objetivos de vendas, de acordo com a realidade. Tenham em conta todos os fatores que consigam distinguir. Por exemplo, um certo produto só vendeu em grande volume com um corte de preço específico. Tenham em conta que esse corte, incluindo-o na vossa estratégia de preços, pode trazer maior volume de vendas.

Atentem nas margens de lucro

Com uma boa solução de gestão como Sage 100cloud, ganham acesso facilitado a históricos de vendas e análises financeiras. Dessa forma, simplificam o processo de análise de tendências para estudarem anos anteriores.

Há que fazer uma leitura informada da imagem que as tendências pintam. Talvez as vendas tenham escalado num período porque ganharam um novo grande cliente ou porque apresentaram um novo produto que se revelou muito popular. Assimilem as razões para que possam aproveitar a oportunidade da melhor forma. Pode ser que o novo cliente abra as portas para um novo setor, com outras empresas com as mesmas necessidades. Pode ser que a introdução de um produto novo bem-sucedido apresente o momento para reavaliar as vendas das gamas anteriores.

Infelizmente, podem enfrentar uma situação em que as vendas tenham caído no período das festas. Devem analisar os fatores que condicionaram a vossa atividade em anos anteriores. Perdas de fornecedores ou aumento de preços que tenham afundado vendas em épocas passadas devem ser lições para o período que se avizinha. Façam uma análise dos preços que os vossos clientes esperam encontrar ou como se devem alinhar com a concorrência. Façam uma gestão de stock atualizada com Sage 100cloud para manter sempre informada a relação com os vossos fornecedores.

Têm convosco possivelmente o maior benefício de um negócio que já tenha superado o primeiro ano – um relatório de vendas acumuladas. Estudar a performance do vosso ano de negócio permite-vos alinhar os objetivos certos para que, este Natal, recebam bons relatórios de vendas no sapatinho.

 

Sage Sessions

Ljubomir Stanisic: “Hoje em dia, eu sou, sinceramente, metade chef, metade gestor.”

Ljubomir Stanisic vive há mais de duas décadas em Portugal e admite que o nosso país lhe trouxe a paz que procurava.

Nascido em Sarajevo, Ljubomir tem uma trajetória na área de cozinha que começou com as mãos na massa; aos 14 anos, para apoiar a família, trabalhou de noite numa padaria, enquanto estudava de dia. Ainda na ex-Jugoslávia, frequentou Química de Alimentação, Padaria e Pastelaria Fina e Cozinha Internacional. Muitos outros cursos se seguiram, já em Portugal e no estrangeiro, e foi em Cascais que decidiu lançar a sua primeira grande aventura gastronómica e abrir o seu próprio restaurante aos 26 anos, o 100 Maneiras do Hotel Villa Albatroz.

Ljubomir fala muito francamente sobre como o restaurante abriu falência em 2008. No entanto, também muito honestamente, reconta como aceitou a ajuda de dois amigos, para voltar a investir nesta área. Desta vez, no Bairro Alto, um único menu de degustação era apresentado a preços acessíveis e provou ser um sucesso em Lisboa. Dois anos depois, abriu portas o Bistro 100 Maneiras, no Chiado.

Hoje em dia, Ljubomir é, pelas suas palavras “sinceramente, metade chef, metade gestor.” A grande paixão do chef jugoslavo pelo mundo da comida orienta o seu negócio e foi o seu grande engenho que permitiu criar uma rede de restaurantes de sucesso e uma imagem de chef sem papas na língua, com grandes êxitos em vários meios de comunicação.

É percetível a dedicação de Ljubomir às bases indispensáveis da gestão de um negócio, ou seja, a delegação de responsabilidades específicas a pessoas capazes. Completamente contrário ao ditado português “amigos, amigos, negócios à parte”, Ljubomir rodeia-se de familiares e amigos com quem divide trabalho e com quem constrói o seu negócio, por encontrar ideais e vontade de trabalhar similar. Neste caso, a sua irmã gere o grupo 100 Maneiras e a sua mulher é responsável pela comunicação dos restaurantes, além de ser co-criadora de muitos dos conceitos fora do grupo, como livros e programas. É uma das características mais fundamentais de um empreendedor bem-sucedido – estar disposto a delegar trabalho, em pessoas em quem confia, para que se possa dedicar a novos desafios.

Ljubomir Stanisic será o orador principal, na segunda edição das Sage Sessions. Venha ouvi-lo no dia 29 de novembro. Inscreva-se aqui.