Browsing Tag

Gestão

BMS Gestão de Empresas

3 Dicas para tornar a sua empresa mais produtiva

A forma como trabalhamos mudou muito nos últimos anos graças à tecnologia, transformando a forma como colaboramos e comunicamos. Se esta mudança permitiu um ganho em eficiência, somos também cada vez mais inundados por pedidos constantes, nem sempre urgentes, que criam interrupções constantes e uma diminuição da produtividade.

Quando 80% do tempo de trabalho é passado em reuniões e em trocas de e-mails, então está na altura de mudar alguma coisa  para conseguir aumentar a eficiência.

Centralizar tarefas.

É fundamental uma maior claridade de objetivos, de planos e de atribuição de responsabilidade. Quando os colaboradores conhecem profundamente o contexto conseguem tomar decisões melhores e criar prioridades, falta de claridade só pode criar desmotivação.

Um plano claro.

Um software de gestão de empresas permite uma melhor planificação do trabalho. O software Sage 100c permite uma automatização de processos de negócios em várias áreas e permite ter uma visão transversal de toda a empresa.

É importante que os colaboradores compreendam quais os passos que devem dar para alcançar os seus objetivos. Deve ser possível manter alguma plasticidade nos planos, permitindo aos colaboradores acrescentar passos na lista, que deve estar disponível a todos os envolvidos no processo.

Atribuição de responsabilidade.

Em projetos de média escala faz sentido ter distinguir claramente quem realiza quais tarefas para que não aconteçam erros, tanto de duplicação, como de falha total.

Em resumo podemos afirmar que toda a equipa deve saber as tarefas que estão sobre a sua responsabilidade, quando a devem realizar e o porquê. O envolvimento dos colaboradores, selecionando tarefas ou acrescentando tarefas que são lógicas no processo, irá aumentar o potencial e a eficiência da equipa.

 

 

 

Faturação

Adiar tarefas: procrastinar pode ser uma vantagem?

Alguém que adia tarefas é em geral considerado de uma forma negativa pelos parceiros de trabalho, mas nem sempre foi assim. Na civilização romana e grega adiar tarefas era considerado um sinal de sabedoria e superioridade.

Não fazer nada até que fosse necessariamente obrigatório, numa atitude de ponderação. Apenas no período moderno chegámos aos valores de ética do trabalho que continuam a prevalecer hoje em dia, em que o tempo deve estar todo ocupado por ações.

Estudos parecem indicar que as pessoas que se atrasam e adiam tarefas, são melhor sucedidas e mais felizes.  Aguardar pelo tempo certo para um projeto, parece ser a forma correta de ver a questão.

A precipitada tomada de decisão a que assistimos hoje em dia, tem consequências negativas. Um empreendedor como Steve Jobs, compreendia a importância de escolher o momento certo para lançar os projetos inovadores, dando tempo a que ideias invulgares chegassem até à mesa de discussão.

A criatividade necessita de tempo.

É importante pensar que a criatividade necessita de tempo para se desenvolver e não pode ser apressada, evitando desta forma os caminhos mais óbvios. Mais tempo para reunir sugestões, para as discutir entre a equipa e finalmente chegar a alternativas mais criativas.

Adiar de forma ativa ou passiva?

Alguns cientistas parecem diferenciar dois tipos de comportamento entre aqueles que adiam tomar decisões. Os que adiam de forma ativa e os que adiam de uma forma passiva, sendo que os ativos escolhem ocupar-se de tarefas a que atribuem mais valor ou satisfação. Os passivos não optam por nada, ocupando um papel puramente receptivo no trabalho, por vezes com uma postura ansiosa, com um trabalho de baixa qualidade e desorganizado.

Porque adiamos tarefas.

O nosso sistema limbíco, centro de prazer, está de certa forma em disputa com o nosso cortex pré-frontal, responsável pelo planeamento. Esta área é um dos elementos que nos distinguem de outros animais, um planeamento que se sobrepõe aos impulsos.

Uma diminuição da concentração, leva a que o sistema limbíco volte a ganhar preponderância, levando-nos a escolher aquilo que nos dá bem estar imediato.

Vantagens de um procrastinador organizado.

Estes trabalhadores podem ser altamente produtivos, ao evitarem uma tarefa são capazes de desenvolver mais trabalho em compensação. A tomada de decisão também podem ser melhoradas por este tempo de espera, reunindo mais informação sobre as questões e ponderando a melhor opção em cada caso.
O truque parece ser aceitar e usar este elemento de forma a tornar-se uma vantagem pessoal ou uma vantagem dentro da organização. Uma das forma é utilizar Apps que auxiliam na organização, e para uma empresa um software de faturação que poupe tempo, permitindo que se dediquem a tarefas que sejam emocionalmente recompensantes.
Um software como Sage 50c consiste numa solução de faturação eficiente e segura, com acesso móvel em qualquer lugar e indicada para pequenas empresas de todos os setores de atividade que não querem só fazer faturas.
 
Contabilidade Fiscalidade

Publicado regime de conversão de ações ao portador

Foi publicado em Diário da República o diploma que estabelece o regime de conversão dos valores mobiliários ao portador em valores mobiliários nominativos, tendo entrando em vigor no passado dia 26 de setembro – Regime de conversão dos valores mobiliários ao portador em valores mobiliários nominativos, em execução da Lei n.º 15/2017, de 3 de maio – Decreto-Lei n.º 123/2017 – Diário da República n.º 185/2017, Série I de 2017-09-25

1 – Conversão obrigatória dos valores mobiliários ao portador em nominativos

  • Prazo 6 meses (termina em Novembro);
  • Alterações do contrato e demais documentos podem ser feitos pela Administração sem necessidade da Assembleia Geral;

2 – Procedimento para a conversão dos valores mobiliários ao portador em nominativos 

  • Publicar um anúncio;
    • Identifica os valores;
    • Fonte normativa;
    • Data de deliberação das alterações e quem deliberou;
    • Data prevista para a publicação das alterações no registo comercial;
    • Consequências de não conversão dos valores mobiliários no período transitório;
    • Para os valores mobiliários não integrados em sistema centralizado os títulos devem ser apresentados ao emitente ou ao intermediário financeiro indicado;
    • A publicação de ocorrer no site da sociedade, no Portal do Ministério da Justiça ou no Sistema de Difusão de Informação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM);
    • Os intermediários financeiros devem comunicar ao cliente da necessidade de apresentarem os títulos ao emitente para serem convertidos e as consequências da sua não apresentação.

3- Modos de conversão dos valores mobiliários ao portador em nominativos

  • Por anotação na conta de registo individualizado ou dos valores mobiliários titulados ao portador;
  • Por substituição dos títulos ou por alteração das menções neles existentes. Devem ser inutilizados os anteriores se a opção for por substituição dos títulos antigos.

4 -Conversão dos valores mobiliários ao portador em nominativos no final do período transitório

  • Os valores mobiliários integrados em sistema normalizado não convertidos pelo emitente serão convertidos pela entidade gestora de sistema centralizado / intermediário financeiro no ultimo dia do período transitório.

5 – Atualização de registos

  • A entidade gestora do sistema centralizado, as entidades registadoras e a entidade emitente actualizam os respectivos registos;
  • Requerer no registo comercial as alterações ao contrato da sociedade e demais documentos;

6 – Valores mobiliários ao portador não convertidos em nominativos

  • Apenas conferem legitimidade para solicitação do registo a favor dos respectivos titulares;
  • aos dividendos, juros ou quaisquer outros rendimentos cujo pagamento se encontre suspenso é depositado junto de uma única entidade legalmente habilitada para o efeito, em conta aberta em nome do emitente, e será entregue, com base em instruções do emitente, aos titulares dos valores mobiliários aquando da respetiva conversão.

7 – Isenções

  • Os registos destas operações estão dispensados do pagamento de emolumentos.

 

Setembro de 2017

Dr. Bruno Lagos – Licenciado em Organização e Gestão de Empresas; Mestre em Auditoria Contabilística; Nos últimos 25 anos técnico superior na Administração Fiscal Portuguesa.

BMS Gestão de Empresas

4 Medidas que pode tomar para proteger a sua empresa numa próxima crise

Costuma-se dizer que existem duas coisas inevitáveis na vida, pagar impostos e morrer, mas outra certeza que podemos ter, é que tudo se transforma. Seja na vida pessoal, sentimental ou profissional, a transformação é sempre uma certeza.

Se trabalhamos na área financeira, os mercados estão sujeitos a grandes mudanças. Quando a economia está deprimida, só pode melhorar e quando está em alta, é uma questão de tempo até descer. A todas estas mudanças um empreendedor tem de estar atento, mas há que aceitar que por vezes nem os grandes analistas são capazes de antever uma crise.

Estar mentalmente preparado.

Em tempos de incerteza, a atitude mental é muito importante. Não entrar em pânico é fundamental para conseguir detetar oportunidades, se necessário recorrendo à prática de meditação ou artes marciais.

Salvaguardar uma situação financeira com liquidez.  

Manter uma reserva estratégica de dinheiro, permite que se aproveitem oportunidades inesperadas. Em caso de crise, é o único valor que conta, os investimentos desvalorizam, como observamos na última crise econômica em relação ao imobiliário.

Diversificar os negócios e apostar em fontes alternativas de rendimento.

A diversificação permite um portfolio de negócios mais equilibrado, se um negócio é afetado por uma situação em particular, negócios em outras áreas podem ter ao mesmo tempo, um outro comportamento oposto.

Com um software de ERP como o Sage X3, podem diversificar as áreas de negócio mantendo todo o controlo. Escolher o Sage X3 significa apostar no crescimento da vossa empresa e gerir uma organização ágil.

Rodeiem-se com as pessoas certas.

Um empreendedor deve apoiar-se em outras pessoas que o possam ajudar a orientar os seus negócios. É importante criar uma rede de contactos, de aconselhamento e partilha de estratégias.

Todos os mercados têm um tempo próprio e apreender a navegar através dos diferentes momentos, é essencial.  A economia vai ser sempre volúvel, e o melhor que um empreendedor pode fazer, é preparar-se, tomando os passos sugeridos neste artigo.

 

 

 

 

BMS Gestão de Empresas

Planear o futuro: a importância de ter um plano B

Acreditar nos próprios projetos, não significa que não se deva ter um plano B. Quer trabalhemos a tempo inteiro, em part-time, ou estejamos a tentar lançar o nosso próprio negócio, devemos ter sempre em conta as quatro sugestões que se seguem.

Definir objetivos.

Estabelecer um plano B é compreender plenamente as opções disponíveis e aquilo que desejam fazer. É importante investigar o máximo de informação possível sobre  área em questão. Depois de reunir toda a informação necessária, criem um plano de ação realista, possível de ser conjugado com outras tarefas do dia à dia.

Gerir o tempo.

Devemos procurar encontrar formas de trabalhar melhor, não mais. Tal só é possível com uma abordagem criativa, organizando as tarefas por prioridades, esquecer as tarefas menos urgentes. Monitorizem os vossos horário, mantendo os vossos objetivos em vista, e definam qual o sentido do sucesso para si.

Nem sempre é boa ideia sacrificar o sono para realizar mais tarefas, a longo prazo o cansaço irá começar a diminuir a capacidade de concentração. Dormir entre sete a nove horas por noite, é o ideal para que o corpo e a mente possam recuperar plenamente.

Poupar tempo com um ERP.

Com um software de ERP, com Sage 100c, não há necessidade de instalar atualizações ou investir em servidores. A informação da empresa está toda em Cloud, com backup garantido, seguro e com acesso de qualquer lugar.   Estas características permitem uma substancial poupança de tempo.

Expetativas realistas.

Um empreendedor necessita de uma rede de apoio, saiba se pode contar com os seus amigos e familia, e sejam flexíveis. Mantenham em mente a necessária adaptação do plano, mudando de direção ou dedicando mais tempo ao vosso empreendimento, caso esteja a ser bem sucedido.

Colocar mesmo que apenas algumas destas ideias em prática pode fazer a diferença. Nem sempre adoptar novos hábitos é simples, mas com prática e determinação, é possível estabelecer um plano B , bem sucedido.