Sage Sessions

Sage Sessions – a Revolução 4.0 por João Vasconcelos

João Vasconcelos, ex-secretário de estado da Industria, fala-nos da transformação digital dos negócios. Partilhamos mais um artigo e vídeo de um dos momentos mais inspiradores no evento Sage Sessions em Lisboa.

A quarta revolução industrial não aconteceu de forma súbita, mas trouxe um impacto que alterou a nossa vida pessoal, negócios, e tudo o que compramos ou produzimos. Importa considerar todas as transformações que esta revolução tecnológica trouxe às empresas.

A Quarta Revolução Industrial.

É uma revolução que ao contrário das anterior (máquinas a vapor, energia elétrica, computadores) não se baseia num tipo de tecnologia em concreto. São várias as tecnologias Internet, mobile, big data, acompanhada de uma mudança nos principais consumidores destas inovações, que deixaram de estar concentrados nos Estados Unidos e na Europa.

 Pela primeira vez a localização não é importante para as empresas tecnológicas, é possível ter uma empresa em Portugal e vender para países do outro lado do mundo. A falta de recursos naturais e outras barreiras que prejudicaram Portugal, não se aplicam nesta revolução 4.0.

Portugal, preparado para a Revolução 4.0.

 Na opinião de João Vasconcelos não sendo resultado de medidas concertadas, o país reuniu elementos para não ficar arredado num papel secundário nesta revolução. A geração com a melhor preparação em décadas e uma rede de fibra ótica que se estende a todo o país.

Estes elementos aliados à tranquilidade e modo de estar que o país inspira, tornam um local aprazível para a colocação de empresas.

Ameaças e desafios.

 50% dos produtos da Microsoft são em Cloud, mais seguros que a utilização de servidores que marcaram a década anterior. Têm a capacidade de ser um repositório de toda a informação, gerada por milhares de aplicações.

As mudanças rápidas levaram os legisladores a compreenderem a necessidade de criar um RGPD de forma a criar uma normalização na proteção de dados dentro da União Europeia. A robótica muitas vezes encarada como uma ameaça ao emprego, até este momento trouxe mais emprego e riqueza às empresas. É natural que alguns postos de trabalho venham a desaparecer, mas outros serão criados, com outra exigência de qualificações.

É importante a nível das empresas criar um dialogo constante entre trabalhadores e administradores das empresas, nas quais ressalva o exemplo da AutoEuropa.

Novas tendências.

São vários os exemplos de áreas que em que as empresas foram completamente transformadas e não se aperceberam das mudanças que a tecnologia estava a trazer. As cadeias hoteleiras desvalorizaram o surgimento do Booking. As vendas através de aconselhamento numa agencia continuam uma parte importante, mas mesmo essas são registadas online.

As chamadas empresas Unicórnio vieram operar enorme transformação, usaram as possibilidades da tecnologia para prestarem um serviço melhor, respondendo a necessidades existentes.

Há que pensar os negócios tendo em conta duas plataformas que triunfaram e neste momento dominam, Android e Apple. Os CEO das empresas devem dedicar uma parte importante do seu tempo acompanhando as inovações, sejam novas apps ou big data, e como a concorrência está a adaptar-se.

Damos continuidade a este artigo sobre a conferência de João Vasconcelos num próximo artigo. Para saber mais sobre este evento Sage Sessions em Lisboa, consulte a nossa página.

 

Consulte o próximo artigo, aqui.

 

 

 

 

 

 

Artigos Relacionados

0 Comentários

Deixe um comentário